Igreja Católica Ortodoxa Hispânica



Resposta
da
IGREJA CATÓLICA ORTODOXA HISPÂNICA

a todas as falsas afirmações feitas contra si e seus clérigos, da parte do “arcebispo primaz”
da IGREJA APOSTÓLICA CATÓLICA ORTODOXA,
sr. Armando da Costa Monteiro

 

 

01º - Acusa os demais de terem sido excomungados e expulsos da Igreja Ortodoxa
02º - Acusa os demais de terem sido reduzidos ao estado laical (deposição)
03º - Afirma ter sido ordenado Diácono e Presbítero, por S.B. Dom João Gabriel I, Arcebispo Primaz da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, em 1978
04º - Acusa os demais de serem falsos bispos sem Sucessão Apostólica válida, reclamando a validade e canonicidade das suas "ordenações" e "sucessão"
05º - Acusa os demais de terem sido ordenados por falsos bispos
06º - Acusa os demais de terem recebido uma segunda ordenação
07º - Acusa os demais de usarem um novo nome religioso
08º - Acusa os demais de terem criado uma "seita" disfarçada de Ortodoxia, e de serem os "cabecilhas" da mesma, ou seja, não serem uma válida jurisdição
09º - Acusa os demais de serem figuras virtuais
10º - Acusa os demais de serem auto-intitulados bispos, etc

11º - Acusa os demais de possuirem estranhos títulos eclesiásticos e de nobreza
12º - Acusa os demais de serem apoiantes da homossexualidade e fazerem casamentos gays.
13º - Acusa os demais de serem bispos com falta de nobreza, assim como de falta de carácter moral e intelectual.
14º - Acusa os demais de serem "falsos cristos", "falsos messias", "falsos profetas" e "falsos cristãos".
15º - Acusa os demais de serem apóstatas e hereges
16º - Acusa os demais de usarem o Nome de Deus em beneficio próprio
17º - Acusa os demais de viverem de irregularidades...
18º - Acusa os demais de se fazerem passar por Católicos Apostólicos Romanos
19º - Acusa os demais de repetirem os gestos da Santa Madre Igreja
20º - Acusa os demais de misturarem os ritos da Igreja
21º - Acusa os demais de simonia e de ordenar a qualquer um
22º - Acusa os demais de terem ordenado bruxos
23º - Acusa os demais de serem mentirosos, farsantes e de envergonharem o Evangelho de Cristo.
24º - Acusa os demais de romperem a comunhão com a Igreja, e de público comportamento contra a verdade da fé, apostasia e excomunhão automática
25º - Acusa os demais de terem canonizado ao Metropolita Dom João Gabriel I de Portugal, Arcebispo Primaz da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, de uma maneira indigna
26º - Acusa os demais de serem frequentador do Principe Real
27º - Afirma possuir vários titulos académicos
28º
- Acusa os demais de lhes ter sido recusado tempo de antena num programa da RTP2
29º - Acusa os demais de o seu ministério não poder dar bons frutos

30º - Acusa os demais de falsos exorcistas

 

01º - Acusa os demais de terem sido excomungados e expulsos da Igreja Ortodoxa.

No que respeita a esta doce e aprazível acusação que o sr. Armando Monteiro faz aos demais, esquece prepositadamente o acusador que ele próprio é que foi expulso ("corrido", para usar o termo que emprega S.E.R. Dom Theodoro, Arcebispo) da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, genuína Igreja Ortodoxa Russa em 1978 (ver RN-01). É bom ter em atenção o que o Arquimandrita José, da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal afirma publicamente, «No final dos anos 70, Armando Monteiro passou dois ou três meses como «aspirante de um dos nossos Mosteiros, em Sintra», recorda José. Mas a sua conduta pessoal não se coadunava com a nossa vida monástica. Chegou a abeirar-se das pessoas, procurando recolher assinaturas com vista à sua sagração episcopal. E chegou mesmo, nessa altura, a anunciar milagres. Por isso, D. João Gabriel, aconselhou-o a procurar novas paragens.». E ele logrou a dica. (...)» (ver RN-03); embora o mesmo afirme: «Consagrado monge no Mosteiro dos Jerónimos em 1977, uma data que muito o emociona – 29 de Junho – dia de São Pedro e São Paulo, a que chama de “um novo começo. Um encontro comigo e com Deus.” Após dois anos, os Estados Unidos da América esperavam por ele.(...)» (ver RN-84).
Acerca do mesmo estar excomungado ou não, creio que é uma pergunta que se farão no final desta contestação.

02º - Acusa os demais de terem sido reduzidos ao estado laical (deposição).

Esquece o sr. Armando Monteiro que foi deposto de Subdiácono, segundo odocumento apresentado e entregue aos Membros da Comissão de Tempo das Confissões Religiosas na RTP em 2003, sendo pelo acto remetido ao estado de leigo (deposto) em 1978, por devios à vida normal da Igreja, como igualmente referiu a «O Crime», S.E.R. Dom Theodoro, Arcebispo da Igreja Católica Apostólica Ortodoxa de Portugal (ver RN-01). E segundo se pode verificar, esses desvios permaneceram passados 34 anos (ver RN-02; RN-03; RN-04; RN-06; RN-10; RN-22; RN-24; RN-26; RN-27; RN-28; RN-35; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-47; RN-48; RN-50; RN-60; RN-61; RN-62; RN-63; RN-66; RN-67; RN-70; RN-72; RN-73; RN-76; RN-77; RN-78).

03º - Afirma ter sido ordenado Diácono e Presbítero, por S.B. Dom João Gabriel I, Arcebispo Primaz da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, em 1978.

Estranha-me que o sr. Armando Monteiro continue a afirmar, mentindo, que foi ordenado "diácono" e "presbítero" pelas mãos de S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha), Arcebispo Primaz da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal (ver RN-05), Igreja Canónica da qual foi deposto de Subdiácono, segundo documento apresentado e entregue aos Membros da Comissão de Tempo das Confissões Religiosas em 2003, sendo o mesmo referente a Agosto de 1978, e mencionado em vários recortes de jornal (ver RN-01, RN-03). Efectivamente, o que o sr. Armando Monteiro recebeu foi a Consagração Monástica e a Ordenação de Subdiácono, gostando o mesmo de mencionar unicamente a Consagração Monástica e não a ordenação, pois é o único acto que consegue provar através de uma revista da época publicada pela Igreja (ver RN-25).
Para elucidar quem nos lê, gostava de contar o seguinte: S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha), recebeu a Sagração Episcopal em Atenas, Grécia, em 18 de Junho de 1978, das mãos do Arcebispo Auxentios da Grécia, sendo Co-Consagrantes: o Metropolita Kalistos de Corinto, o Metropolita Gerontios do Pireu e o Metropolita Antónios de Megaríde (ver RN-59). Ora, se repararmos na data da Sagração Episcopal e a data apresentada publicamente pelo sr. Armando Monteiro como da sua saída da Jurisdição da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, ou seja, 16 de Outubro de 1978, podemos contar 120 dias. Assim, segundo o referido senhor, S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha), nesse curto espaço de tempo tê-lo-ia feito: Monge, Subdiácono, Diácono, Presbítero, e Bacharel em teologia, pelo Instituto de São Leão Magno (ver RN-05). Parece-nos no mínimo estranho para um jovem de apenas 20 anos, ou então é mais uma das suas patranhices e mentiras.

04º - Acusa os demais de serem falsos bispos sem Sucessão Apostólica válida, reclamando a validade e canonicidade das suas "ordenações" e "sucessão".

Quando o sr. Armando Monteiro acusa os demais de "falsos bispos sem Sucessão Apostólica válida", deve estar a pensar que todos os demais foram ordenados nos mesmos moldes estranhos da sua "sagração episcopal" visto ser a única que consegue devidamente provar.
Assim, chamava a atenção para a data de 13 de Julho de 1990 da alteração dos Estatutos da sua comunidade eclesial, e a data do Cartório Notarial de 02 de Agosto de 1990, pelo que percebemos a causa da rapidez da alteração do nome da associação, que passou de: Igreja Apostólica de Sião, para Igreja Apostólica Católica Ortodoxa (ver DC-01, DC-02). Percebe-se a pressa de tal feito
, visto o mesmo sr. Armando Monteiro não ser à data "bispo ordenado", e reclamar ter recebido a "ordenação episcopal" em 06 de Agosto de 1990 (unicamente 4 dias após), das mãos de S.E.R. Dom Milton Cunha, Arcebispo Primaz do Brasil, da Igreja Católica Ortodoxa Americana (The American Orthodox Catholic Church).
Analisando detalhadamente o
texto do documento da "sagração episcopal" (ver DC-06), vêmos algo que suscita dúvidas: «...,Foi por mim,sagrado Bispo ,o Monge D.Armando da Costa Monteiro, (...)». Ora, parece-nos estranho que, afirmando o sr. Armando Monteiro haver recebido a "ordenação diaconal e presbiteral" das mãos de S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha), Arcebispo Primaz da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, a mesma não seja formalmente reconhecida no documento, quando o mesmo Arcebispo Primaz de Portugal é válido, legítimo e canónico! Será que se realizou mesmo a referida "ordenação" ou será que foi mais uma das patranhices e mentiras do sr. Armando Monteiro!? Parece que não existem fotos da celebração, nem testemunhas, nem Co-Consagrantes, pelo que talvez se trate de uma daquelas "ordenações" de sacristia, sem testemunhas. Assim, quando é referido no mesmo texto do documento, que: «...fazemos saber que,segundo os Santos Cânones da Igreja, a Tradição Apostólica e as prescrições dos Santos Padres, (...)», Vêmos claramente uma irregularidade canónica, de acordo com o artº 1 das Regras Apostólicas.
Posteriormente o sr. Armando Monteiro, recebeu a "ordenação arquiepiscopal" novamente das mãos de S.E.R. Dom Milton Cunha (ver DC-07), mas observando as fotos podemos ver que a imposição de mãos unicamente é feita por S.E.R. Dom Milton Cunha, o Arcebispo Sagrante. Porém, ao lermos o texto da acta da "ordenação arquiepiscopal" (ver DC-08), existem vários pontos que nos chamam à atenção, como por exemplo:

a)
diz o documento que «foi consagrado Arcebispo elevado ao episcopado», o que do ponto de vista ortodoxo e canónico é incorrecto, pois é exactamente o contrário. O eleito é consagrado ao Episcopado e elevado ao Arquiepiscopado (arcebispo); ou seja, primeiro é ordenado Bispo e depois ordenado Arcebispo (na tradição oriental). Ser ordenado ao Episcopado, e depois ser consagrado ao Arquiepiscopado e elevado novamente ao Episcopado é no mínimo estranho, já para não falar no quão inspira suspeitas. Mesmo assim, pode colocar-se a questão quando o eleito é logo ordenado ao Arquiepiscopado sem ainda ter sido ordenado ao Episcopado.
Podemos ver o exemplo de:
- S.B. São Aftimios Ofiesh (Abdullah Ofiesh), ordenado Bispo em 13 de Maio de 1917, ordenado Arcebispo em 1923;
- S.S. São Thikon de Moscovo (Vasili Ivanovich Bellavin), ordenado Bispo em 1898, ordenado Arcebispo em 1905;
- S.S. São Wolodymyr I (Walter Myron Propheta), ordenado Bispo em 03 de Outubro de 1964, ordenado Arcebispo em 30 de Março de 1965; etc.
b)
diz igualmente o documento em questão que foi: «...Consagrante Dom Milton Cunha, estando presente Dom João, bispo de Santo Amaro», o que mostra claramente que, sendo Dom João, Bispo-eleito esteve presente na cerimónia, mas não como Co-Consagrante.
Ao ler detalhadamente as linhas de Sucessão Apostólica Ortodoxa Russa apresentadas pelo sr. Armando (ver RN-07), percebemos que as mesmas não correspondem à verdade, acerca do nome de alguns Bispos que aparecem intencionalmente como se o sr. Armando Monteiro tivesse Sucessão Apostólica dos mesmos. Gostariamos que o "arcebispo verdadeiro e canónico", nos diga como conseguiu encontrar na sua Sucessão Apostólica proveniente unicamente de S.E.R. Dom Milton Cunha, visto S.E.R. Dom Luis de Marchi (quando trocaram Sucessões com a Oração Consecratória - Re-Consagração) não possuir Sucessão Ortodoxa, e Dom João, Bispo de Santo Amaro (bispo-eleito), mas que alega mentindo ter sido seu Co-Consagrante quando da "ordenação arquiepiscopal" também não poder ser como é evidente, por não ter Ordenação, os nomes de:
- Allan Marcus Armstrong; - Anthony Joseph Anned; - Francis Ryan; - C. David Luther; - Charles R. Mccarthy; - Chrysostomos (John More-Moreno); - Donald St. Peters; - Donald Wharton; - Gregory R. P. Adair; - Henry Van Arsdale Parsell; - Hugh George de Wilmott-Newman; - Illtyd Thomas; - Ivan Nikolaevich Stragorodskij; - Jean Harold Nicholson (Harold Percival Nicholson); - Jean René Ángel de Malvy; - Jean Marie Blom Van Assendelft-Atland; - John Adair; - Karl Julius Barwin; - Nils Bertil Alexander Persson; - Odo Ackenson Barry; - Paul Tyler Turner; - Perry Nikolaus Cedarholm; - Peter A. Compton-Caputo; - Richard Ingram; - Roy C. Toombs; - Uladslau Ryzy-Ryski, entre outros!?

Analisando os nomes dos Bispos a que o sr. Armando Monteiro alega ter Sucessão Apostólica Ortodoxa Russa (ver RN-07), e que tanto gosta de publicar no seu blog, existe um nome que sobressai perante todos os outros, o nome de S.S. Uladslau Ryzy-Ryski, Iº Patriarca Autocéfalo Bielorrusso, da Igreja Ortodoxa Bielorrussa Eslava (Patriarcado Ortodoxo Bielorrusso Eslavo), que recebeu a Ordenação Episcopal das mãos de S.S. São Wolodymyr I (Walter Myron Propheta), sendo Co-Consagrantes: Mons. Christopher Cragg, S.B. Peter Zurawetzsky, Mons. Willian O’Neil, e Mons. Martin Leonard Hill em 20 de Setembro de 1965.
Será mesmo que o sr. Armando Monteiro tem Sucessão Apostólica do primeiro Patriarca da Igreja que ele diz ser uma "pseudo-Igreja Bielorrussa"!?
(ver RN-21)
Se o Patriarca, assim como o Patriarcado do qual foi o Iº Patriarca Autocéfalo Bielorrusso, assim como os Bispos que sucedem dos Bispos que ele ordenou são todos falsos, carecem de Sucessão Apostólica válida e estão unidos a uma "pseudo-igreja", que diremos dele mesmo, quando mentindo afirma possuir Sucessão Apostólica de tal Hierarca? Só mesmo para rir!!!
Infelizmente, parece que o sr. Armando Monteiro, não se importou de juntar o nome de alguns Bispos dos quais não possui Sucessão Apostólica alguma, pois tão "canónico e verdadeiro arcebispo ortodoxo" sentir-se-ia inferiorizado. Por tudo isto, vemos claramente que mais não é do que uma figura de retórica de pessoa qual fera ferida no seu orgulho e vaidade pessoal. Ao ler detalhadamente as linhas de Sucessão Apostólica Ortodoxa Russa apresentadas pelo sr. Armando, vemos que as mesmas não correspondem à verdade (ver RN-07). Por outro lado, ao analisar as linhas publicadas anteriormente e no já inexistente website de sua comunidade eclesial (ver RN-08), podemos ver que a linha de Sucessão Apostólica Russa apresentada então nada tem com a que apresenta actualmente (ver RN-07), vendo-se perfeitamente as alterações e acréscimos, intencionalmente inexactos, mas que não passam despercebidos a quem conhece bem as linhas de Sucessão Apostólica.
É bom referir que recebendo S.S. São Wolodymyr I (Walter Myron Propheta) a Sucessão Apostólica de S.B. Theoklitos Kantaris em 30 de Março de 1965, quando da sua Ordenação Arquiepiscopal, não transmitiu este as linhas de Sucessão recebidas então, inclusive a linha apresentada pelo sr. Armando Monteiro - Ortodoxa do Chipre - a S.B. Giuseppe Santo Eusebio Pace, pois já o tinha ordenado ao Episcopado em 25 de Dezembro de 1964, e não
voltou a reordena-lo ou a transmitir-lhe qualquer linha de Sucessão Apostólica.
Quando o sr. Armando Monteiro acusa os demais de "falsos bispos sem Sucessão Apostólica válida", será que nunca se questionou acerca da validade da sua própria "Sucessão Apostólica", tendo em atenção as Regras Apostólicas e dos Santos Concílios Ecuménicos!?
Terá igualmente o Reconhecimento Canónico da Comunidade da qual afirma descender, mas à qual não se conhecem ligações, da parte do sr. Armando Monteiro ao Bispo que o ordenou e à tão proclamada Igreja-Mãe (The American Orthodox Catholic Ch
urch), fundada por S.S. São Wolodimyr I (Walter Myron Propheta)?
De tudo o que vemos, só podemos constatar que, o sr. Armando Monteiro na ausência de conseguir provar a sua "canonicidade", vê as Sucessões Apostólicas válidas de Bispos de Jurisdições Canónicas alheias à sua comunidade eclesial, nos website e fazem copy-paste, sem sequer se darem ao trabalho de lerem o que copiam. Pura vaidade!

05º - Acusa os demais de terem sido ordenados por falsos bispos.

Neste ponto, será bom ter em atenção o que diz o Arquimandrita José, da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, quando afirma «Diz que foi sagrado por um bispo que foi sagrado católico romano, o brasileiro D. Milton Cunha... (...) O pior, segundo elementos de um outro culto que mantêm ligações com D. Milton, é que o bispo brasileiro conta muitas razões de queixa. «Ele diz-se engado por Armando Monteiro em vários domínios». (...)» (ver RN-03).
Assim sendo, tem o sr. Armando Monteiro a certeza que foi "ordenado" por um Bispo válido, legítimo e canónico?
Somos levados a pensar que, a ter S.E.R. Dom Milton Cunha, Arcebispo Primaz do Brasil, de quem os Bispos da Igreja Católica Ortodoxa Hispânica comungam na Sucessão Apostólica, «...muitas razões de queixa
...» do sr. Armando Monteiro, possa tal facto significar a existência de dolo nas "sagrações" por ele recebidas.

06º - Acusa os demais de terem recebido uma segunda ordenação.

Quando o sr. Armando Monteiro acusa os demais de receberem uma "segunda ordenação", esquece o mesmo que recebeu uma "Re-Ordenação Episcopal", das mãos de S.E.R. Dom Luis de Marchi, Bispo de São Paulo, da Igreja Católica Apostólica Brasileira, quando trocaram "Sucessões Apostólicas" e fizeram um Tratado de Inter-Comunhão Canónica, em 22 de Maio de 1992 (ver DC-09).
Analisando o assunto, verificamos algo no mínimo estranho: o sr. Armando Monteiro, que se apresenta como "legítimo e canónico ortodoxo" (ver RN-09; RN-21) acusando os demais de "falsos bispos" e de "falsos ortodoxos", esquece que após receber a "ordenação episcopal" e a "ordenação arquiepiscopal" das mãos de um Arcebispo da Igreja Católica Ortodoxa Americana, de Fé Ortodoxa, cerca de um ano depois troca "Sucessões" e faz um Tratado de Inter-Comunhão Canónica, com um Bispo da Igreja Católica Apostólica Brasileira, de Fé Católica (ocidental).
Não têm as duas Igrejas Profissões de Fé e Dogmas distintos?
Não aceita a Igreja Católica Apostólica Brasileira a existência do Dogma do Purgatório, do Dogma da Imaculada Conceição; o acréscimo do Filioque, inexistentes na Santa Ortodoxia?
Qual é então a Fé professada pelo sr. Armando Monteiro e sua comunidade eclesial?
Ao estar em Inter-comunhão canónica ao mesmo tempo com Igrejas de Fé distintas, será que é a Fé Ortodoxa, a Fé Católica (ocidental), ou uma misturada das duas a que estamos mais ou menos habituados, que professa a comunidade eclesial do sr. Armando Monteiro?
Será que o sr. Armando Monteiro sabe que só através da Oração Consecratória é que um Bispo válido pode transmitir a outro a sua Sucessão Apostólica? Se ambos se sujeitaram a que rezassem sobre si mais uma Oração Consecratória, então existiu Ordenação (re-ordenação). Assim sendo, existiu uma segunda ordenação.

Esquece igualmente o sr. Armando Monteiro que, ao condenar a pessoa de S.B. Dom Paulo Jorge de Laureano (Mar Alexander I da Hispânea), do Sr. Fernão Marques Gomes (Deposto e reduzido ao Estado Laical em 29 de Junho de 2015), quando da Sagrada Ordenação Presbiteral dentro da Igreja Católica Ortodoxa Hispânica do Reverendo Padre Humberto Jorge Pereira Rolo (André I da Hispânea), usando para justificar o que consta do artº 68 das Regras Apostólicas, que diz: «Se um bispo, um presbítero ou um diácono recebe de alguém uma segunda ordenação, que seja expulso da ordem sagrada, tanto o ordenado como quem o ordenou; salvo que seja fidedignamente conhecido que (na primeira ordenação) foi ordenado por herejes. Já que os que foram baptizados ou ordenados por esses, não podem ser clérigos nem fiéis», que o mesmo é visado no mesmo artigo, por um acto cometido em 17 de Junho de 2001, quando concedeu ao então Presbítero Paulo Jorge de Laureano, uma segunda "ordenação presbiteral" (ver DC-48)?

07º - Acusa os demais de usarem um novo nome religioso.

Quando as pessoas como o sr. Armando Monteiro tecem intrigas contra os demais, esquecem deliberadamente dos seus próprios actos. Este senhor acusa malévolamente o Presbítero Humberto Jorge Pereira Rolo, de ter recebido um novo Nome Religioso de "André I da Hispânea", forma pela qual é actualmente tratado, quando da sua Consagração Monástica, dentro da Igreja Católica Ortodoxa Hispânica, após ter formalmente renunciado ao seu nome anterior de "Aloysius", recebido na sua anterior comunidade eclesial, numa tentativa de desacredita-lo. Porém, esquece o mesmo sr. Armando Monteiro, que a ter recebido o nome religioso de "FREI JORGE", quando da sua Consagração Monástica pelas mãos de S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha), Arcebispo Primaz da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, o mesmo tomou em 08 de Dezembro de 2002, de motu-proprio o novo nome religioso de "GABRIEL II", justificando que o fazia em honra do seu "Pai na Ortodoxia", o mesmo que o havia deposto em 1978, embora diga publicamente, embora mentindo, que: «...Nunca mudei de nome, resido no mesmo lugar, estou na mesma Igreja e celebro aí a santa Missa todos os fins de semana (...)» (ver RN-73).

08º - Acusa os demais de terem criado uma "seita" disfarçada de Ortodoxia, e de serem os "cabecilhas" da mesma, ou seja, não serem uma válida jurisdição.

Normalmente, quando acusamos deliberada e malevolamente os outros, é numa tentativa de esquecermos de nós mesmos, pelo que parece ser o que acontece com o sr. Armando Monteiro.
Segundo várias vozes que sairam nos meios de comunicação social, «A Igreja de Armando Monteiro não existe e esse senhor só se representa a ele próprio», como referiu S.E.R. Dom Theodoro, Arcebispo da Igreja Católica Apostólica Ortodoxa de Portugal, fundada por S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha) (ver RN-01). No mesmo sentido, o Padre Leonel Alexandre Bonito, da Igreja Ortodoxa Grega em Portugal (Patriarcado Ecuménico de Constantinopla), «contesta a existência da "Igreja Apostólica Católica Ortodoxa" como culto religioso, considerando que se trata de uma pura invenção de Armando Monteiro. (...) É uma mera associação criada pelo mero fundador, e pouco mais que isso. São quatro mentiras, nem é igreja, nem é católica, nem é apostólica, e muito menos ortodoxa. (...)» (ver RN-02); e mais afirma o Arquimandrita José, da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, «Quem diz conhecê-lo, segue-lhe o percurso e toma cada notícia como mais um sinal de que o homem está em rota errada desde há muito tempo. O Arquimandrita José, da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal (Igreja Autónoma de Portugal), não tem dúvidas em negar qualquer legítimidade à inicitiva de Armando Monteiro: «Somos os únicos ortodoxos em Portugal» (à data da reportagem). Deste ponto de vista ele não é nada.» (ver RN-03; RN-24).
Ora, quando o sr. Armando Monteiro, acusa os demais de serem dirigentes de uma "seita", usando o termo "seita" num sentido depreciativo, deve estar a falar com conhecimento de causa, tendo como base os seus próprios actos.

09º - Acusa os demais de serem figuras virtuais.

Acusar os demais de "serem figuras virtuais" por manterem um website que dá a conhecer virtualmente a sua Jurisdição Canónica, a sua Fé e a sua História, quando o mesmo tem sítios, blogs e anúncios anónimos ou identificados, cada um a seu estilo e com a sua "verdade" para o público alvo, como faz o sr. Armando Monteiro, é no mínimo delirante. Vejamos alguns links, sem contar aqueles que anonimamente usa para denegrir os demais:
- Páginas amarelas;

- Wikipedia;
- Igreja Apostólica Católica Ortodoxa (website);
- Igreja Apostólica Católica Ortodoxa (facebook);
- Igreja Apostólica Católica Ortodoxa (blog);
- Igreja Apostólica Católica Ortodoxa (Tomtom);
- Igreja Apostólica Católica Ortodoxa (Just another WordPress.com site);
- Igreja Una Santa Católica y Apostólica da Ibéria;
- O Karisma da Libertação;
- Seminário de Santa Filomena;
- Ortodoxia em Portugal;
- Ortodoxia em Portugal - Verdadeiras Igrejas;
- Padre Exorcista;
- Exorcista Católico;
- Exorcista (grande);
- Exorcista (TravelPod);
- Fátima Altar do Mundo;
- Dom Armando (blog pessoal);
- Dom Armando Kostamonte;
- Dom Armando Monteiro (facebook);
- Dom Armando Monteiro (bispo católico);
- Dom Armando Monteiro - Arcebispo - Exorcista;
- Principe Vatatzes;

- Principado de Kostamonte;
- Principe de Nicómedia y Kostamonte (facebook);
- etc.

10º - Acusa os demais de serem auto-intitulados bispos, etc.

É muito comum certos indivíduos com falta de carácter, acusarem os demais de factos que os caracterizam a eles próprios, e este é caso do sr. Armando Monteiro, quando acusa os demais de "auto-intitulados bispos" (ver RN-72; RN-90), esquecendo deliberadamente o que acerca dele e de sua "genuína igreja ortodoxa", afirmou S.E.R. Dom José da Cruz Policarpo, Cardeal-Patriarca de Lisboa, quando diz: «Na abertura da 153.ª assembleia plenária da CEP, a decorrer em Fátima até quinta-feira, D. José Policarpo disse tratar-se de “um episódio triste” que levanta “o problema da inevitável relação, na aplicação da Lei, entre liberdade religiosa e qualidade religiosa”. Em relação aos membros da Igreja Apostólica Católica Ortodoxa, o presidente da CEP afirmou que “a ambiguidade dos títulos que usam” e “o facto de aparecerem vestidos com o traje eclesiástico”, identificado com a Igreja Católica, “geraram confusão e indignação em muitos fiéis”. Por isso, D. José Policarpo quis “declarar claramente, aos fiéis católicos e aos portugueses em geral, que essa autoproclamada igreja ortodoxa de Portugal não é reconhecida por nenhum dos patriarcados ortodoxos” com que está “em diálogo ecuménico”, lamentando a ambiguidade da sua apresentação. “Não têm nada a ver com a Igreja Católica”» (ver RN-28).

11º - Acusa os demais de possuirem estranhos títulos eclesiásticos e de nobreza.

Por mais estranho que possa parecer, esta é uma das resposta que mais prazer me dá responder. O mais engraçado, é que quando o sr. Armando Monteiro, acusa os demais de "possuirem estranhos títulos eclesiásticos e de nobreza", se esquece que ao contrário de alguns, senão todos, os que ele próprio afirma possuir, os títulos eclesiásticos e nobiliarquicos dos Senhores a quem ele acusa, todos foram dados e aprovados devidamente por quem de direito. Nenhum dos mesmos foi elaborado, conferido e aprovado por quem o recebeu, ao contrário do que pode dizer o "principesco" sr. Armando Monteiro, que só não se auto-intitula "faraó das Canastras", pois deve ter medo de "bater com a canastra".
Porém, era muito proveitoso e hilariante, olharmos para os títulos do sr. Armando Monteiro:

Títulos / Cargos eclesiásticos:

01) hieromonge (mas quem será que o nomeou? Não foi certamente S.E.R. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha) - (1978) (ver RN-12);
02) fundador da Igreja Apostólica de Sião (Fevereiro de 1990) (ver DC-01);
03) fundador da Igreja Apostólica Católica Ortodoxa (Agosto de 1990) (ver DC-02);
04) fundador da Ordem Constantiniana de São Jorge, Apostólica Bizantina - (1990) (ver RN-05);
05) arcebispo de Lisboa - (14 de Julho de 1991) (ver RN-05);
06) metropolita de Braga e Toledo - (14 de Julho de 1991) (ver RN-05);
07) metropolita de Bracara y Mérida - (1991) (ver RN-09);
08) arcebispo-primaz de toda a Ibéria - (14 de Julho de 1991) (ver RN-05; RN-80);
09) primaz para Portugal e Espanha - (1991) (ver RN-09);
10) chefe da Igreja dos Ortodoxos Ibéricos - (14 de Julho de 1991) (ver RN-09);
11) fundador e reitor do Seminário Arquidiocesano de Santa Filomena - (1993) (ver RN-05);
12) fundador da Ordem Religiosa das Servas de Deus - (1994) (ver RN-05);
13) patriarca ortodoxo ibero-americano, pelo Santo Sínodo das Igrejas Nacionais dos Países de Língua Ibero-Americana - (1995) (ver RN-05);
14) arcebispo na empresa mundo (ver RN-21);
15) arcebispo iluminado (ver RN-10);
16) arcebispo carismático (ver RN-10);
17) patriarca da Ibéria (ver RN-22; RN-80; RN-81).

Linhagem de família:

01) descendente directo dos Laskary (ver RN-14);
02) príncipe de Nicomédia y Kostamonte (ver RN-16; RN-75);
03) príncipe de Kostamonte (devem ter-se esquecido da Nicomédia, e reparem que novamente é riscado o nome "Monteiro" para que passe despercebido que quem o concede é o mesmo que recebe o título, mas desta vez é tenta ser mais convincente, e usa o nome de "João", em alusão ao padre-diácono João da Cruz, que nunca foi Primicerius e que não podia reunir o Sínodo, falecido quando o sr. Armando Monteiro estava de "férias" forçadas, embora em precária - 14 de Junho de 2000) (ver DC-10; DC-11; RN-75);
04) príncipe de Bytinia e Kostamonte (ver RN-14; RN-17; RN-75; RN-89);
05) grão-mestre da sereníssima Ordem do Leão de S. Marcos (ver RN-17);
06) príncipe herdeiro da Casa Imperial Vatatzes-Laskaris (ver RN-14; RN-15; RN-18);
07) príncipe de Nicomédia e Vatatzes (ver RN-14; RN-15; RN-16; RN-18);
08) príncipe apostólico de Kostamonte (ver RN-14; RN-18);
09) grão-mestre da venerável e soberana Ordem de São Miguel de Kostamonte (ver RN-14; RN-18);
10) magno-comendador da Ordem Teológica (em que é riscado o nome "Monteiro" para que passe despercebido que quem o concede é o mesmo que recebe o título - 02-05-2010) (ver DC-12);
11) monarca (ver RN-19);
12) príncipe de Portugal (ver RN-20);
13) grão-príncipe (ver RN-14; RN-16; RN-17; RN-18).

12º - Acusa os demais de serem apoiantes da homossexualidade e fazerem casamentos gays.

Ao olhar para as variadissimas mentiras do sr. Armando Monteiro, não podia o indivíduo deixar de acusar os demais estendendo a sua maldade e língua viperina, fazendo alusão a uma situação antiga, e que unicamente se passou na sua própria comunidade eclesial, a - IGREJA APOSTÓLICA CATÓLICA ORTODOXA -, sob autoridade, delegação e presença física do próprio sr. Armando Monteiro.
Quando o sr. Armando Monteiro acusa os demais de "serem apoiantes da homossexualidade e fazerem casamentos gays", esquece que foi o próprio que aceitou e autorizou a realização de uma bênção gay, dentro da sua comunidade eclesial, visto um dos "noivos" ser um cantor conhecido e o acto ter cobertura televisiva, especialmente pela TVI, tendo em vista um aproveitamento mediático do facto. Visto estar em causa o nome da sua comunidade eclesial, o sr. Armando Monteiro não quis presidir à cerimónia e delegou tal competência num presbítero da sua comunidade, que aceitou em cumprimento do voto de obediência professado, mas com a condição de o mesmo colocar o facto por escrito, o que fez (ver DC-26).
Daqui, podemos entender que quem acusa os demais de "serem apoiantes da homossexualidade e fazerem casamentos gays", esquece deliberadamente que aceitou, apoiou, abençoou e concedeu até uma "bênção apostólica" aos "noivos" após a cerimónia, assim como ao celebrante da mesma (ver DC-50), que ocorreu em 09 de Maio de 2003.
Assim, gostaria de restituir a verdade acerca dos factos reais:
a) o sr. Armando Monteiro, pelos seus actos apoia e defende os gays (ver RN-28; RN-71);
b) a "bênção gay" foi realizada dentro da Igreja Apostólica Católica Ortodoxa, comunidade eclesial à qual pertencia então o presbítero que a realizou (ver RN-28; RN-90);
c) nenhuma Jurisdição Canónica realizou uma "bênção gay" em Portugal, quer antes quer depois da data da "bênção gay", apoiada pelo sr. Armando Monteiro, visto estar em contradição com o objectivo do Sacramento, segundo o que a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica entende estar contido dentro da Doutrina, Concílios Ecuménicos e Regras Apostólicas.
Em suma, gostaria de lembrar o que o próprio sr. Armando escreveu num blog de sua comunidade eclesial, acerca da sua fé, no qual exalta a homossexualidade: «Existem cristãos que não foram felizes no seu primeiro matrimónio e que se separaram, voltaram a casar, procurando novamente a felicidade; existem os que usam meios contraceptivos, controlando assim a natalidade; existem os que optam por estilos de vida alternativos fora dos padrões da sociedade e das igrejas tradicionais “falsamente” conservadoras e morais; (...) existem gays e lésbicas que procuram ser reconhecidos e aceites na sua diferença, sem discriminação, condenação e castração, desejando que o seu amor seja abençoado pela Igreja, que diz colocar em prática os ensinamentos de Cristo, no amor e respeito pelo outro. Todos esses nossos irmãos buscam uma comunidade que aplique um ministério cristão com verdade e em justiça para a sua particularidade, que fomente a unidade através das diferentes expressões do amor de Deus, deixando de existir homens e mulheres que são expulsos e discriminados pelas suas igrejas, onde um ministério de amor e tolerância é inexistente, dando lugar aos rigorismos das leis e às interpretações literais em defesa dum código de moral público, que segundo a segundo é ignorado pelo pecado da hipocrisia e da mentira, em práticas escondidas que são de bradar aos céus. Esta Santa Igreja Apostólica acolhe no seu seio todos aqueles que são rejeitados e banidos pela sociedade e pelas suas comunidades cristãs, acreditando que a graça e o amor de Cristo também podem reinar plenamente no seu coração, reinando já, se duma forma sincera aceitam Jesus Cristo como seu Salvador. (...)» (ver RN-71).

13º - Acusa os demais de serem bispos com falta de nobreza, assim como de falta de carácter moral e intelectual.

Quando as pessoas perdem o sentido da razão e do discernimento, como acontece com o sr. Armando Monteiro, chegam ao ponto de se esquecer da sua falta de carácter moral e intelectual, assim como dos princípios da "nobreza", de que afirma exageradamente descender. Porém, quem acusa os demais de falta de carácter moral, deveria ser possuidor de uma moral superior e sem mancha, mas parece que carece dessa autoridade moral para acusar seja quem for (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-06; RN-24; RN-26; RN-27; RN-28; RN-35; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-48; RN-94).
Como as mentiras e patranices do sr. Armando Monteiro são mais do que muitas, não podiam deixar de chamar à atenção para o nível de "carácter moral" do "príncipe-arcebispo".
Vejamos dois exemplos do carácter moral e intelectual, assim como da nobreza do indivíduo:
a) o Diácono João Cruz, ordenado "diácono" pelo sr. Armando Monteiro e Vice-Reitor do Santuário de Nossa Senhora das Lágrimas, assegura em 1996 e logo após a prisão do seu ordenante por excesso de "carácter moral", não ter nenhum vínculo com a Igreja Apostólica Católica Ortodoxa (ver RN-27), porém é o mesmo que aparece como Primicerius do Santo Sinodo para conceder ao sr. Armando Monteiro o título de "príncipe de Kostamonte" como sinal de apreço pelo seu inestimável trabalho em prol da Santa Igreja (ver DC-10). Incrível! Condecorado pelo seu exemplar valor moral!!! Assim, pelo constatado até aqui, não sei em que aspecto o sr. Armando Monteiro pensa possuir mais autoridade moral do que todos aqueles que nada têm com ele, mas que o mesmo gosta de denegrir, como se fosse juiz da moral e bons costumes;
b) o que assina o documento (Gabriel II) é o mesmo que propõe o documento (príncipe de Kostamonte), como se se tratasse de duas pessoas distintas. Maravilhoso exemplo de verdade e carácter de nobreza!!! (ver DC-13).
Mais à frente na 23º resposta poderá ver mais alguns exemplos do carácter do sr. Armando Monteiro.

14º - Acusa os demais de serem "falsos cristos", "falsos messias", "falsos profetas" e "falsos cristãos".

Normalmente, por uma questão de inteligência, as pessoas que ostentam determinados "carismas" duvidosos não chamam aos outros aquilo que pode reverte contra eles. É uma questão de bom-senso, sensatez e equilíbrio, o que parece faltar ao sr. Armando Monteiro.
Assim, quando usa um texto retirado da internet (ver RN-52), para publicar no blog de sua comunidade eclesial, alterando o mesmo a seu belo prazer, sempre de forma a acusar os demais. Ora analisemos passo a passo o texto original e o publicado pelo sr. Armando Monteiro, e que têm por título, "falsos profetas modernos" (ver RN-53), pelo qual ficaremos com uma ideia de quem será realmente o falso profeta moderno:

a) «Os falsos profetas modernos dos vários títulos religiosos sonantes e estranhos, como Katólicos, Mar fulano de tal ect...», esquecendo-se que o mesmo possui vários títulos religiosos, mais ou menos sonantes e estranhos, assim como títulos "principescos" (ver a 11º resposta), alguns auto-concedidos e unicamente reconhecidos por si mesmo;

b) «Certamente você conhece pessoas sérias que desenvolve tais ministérios, mas também conhece farsantes e hipócritas que tem envergonhado o evangelho de Cristo», esquecendo-se que tem um vasto curriculum de "boas obras", que unicamente para ele em nada devem ter envergonhado o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-06; RN-24; RN-26; RN-27; RN-28; RN-35; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-48; RN-72; RN-91);

c) «O falso Bispo é mentiroso: ele gosta de contar vantagens, e experiências pessoais que na maioria das vezes não aconteceram», esquecendo-se das mentiras que conta para se engrandecer (ver a 23 º resposta):
- que nome chamar a quem afirmou ter recebido de herança de sua avó (a hipotética "princesa" Lascaris, ou Vatatze, porém, essa ainda não era Kostamonte) o prédio no qual funciona o "Santuário da Senhora das Lágrimas", que já foi anteriormente da "Senhora do Pranto", da "Rosa Mística" (antes de haver "lágrimas"), e que mais não foi do que comprado com o dinheiro dos fiéis? Fui testemunha quando o mesmo foi a hasta pública acabando por ficar nas mãos do mesmo proprietário que conseguiu um acordo com o banco que tinha a hipoteca;
- que nome chamar a quem afirma ter entrado no Mosteiro Ortodoxo da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal em 1977, quando o mesmo entrou em 1978 e no qual permaneceu unicamente cerca de três meses até ser convidado a seguir outras paragens? Que nome chamar a quem mentindo, afirma ter estado na gênesis da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, como se tivesse sido co-fundador? A este respeito o Arquimandrita José, da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal afirma publicamente, «No final dos anos 70, Armando Monteiro passou dois ou três meses como «aspirante de um dos nossos Mosteiros, em Sintra», recorda José. Mas a sua conduta pessoal não se coadunava com a nossa vida monástica. Chegou a abeirar-se das pessoas, procurando recolher assinaturas com vista à sua sagração episcopal. E chegou mesmo, nessa altura, a anunciar milagres. Por isso, D. João Gabriel, aconselhou-o a procurar novas paragens.». E ele logrou a dica. (...)» (ver RN-03); embora o mesmo afirme: «Consagrado monge no Mosteiro dos Jerónimos em 1977, uma data que muito o emociona – 29 de Junho – dia de São Pedro e São Paulo, a que chama de “um novo começo. Um encontro comigo e com Deus.” Após dois anos, os Estados Unidos da América esperavam por ele.(...)» (ver RN-84);
- que nome chamar a quem diz ter recebido a "ordenação diaconal e presbiteral" das mãos de S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha), Arcebispo Primaz da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, quando o que unicamente recebeu foi a Consagração Monástica e a ordenação de Subdiácono em 1978, tendo sido deposto pelo seu Ordenante?

d) «O falso Bispo é numerólatra: ele não consegue ser fiel aos números reais. Se ele tem uma igreja com 5 membros e virtual, diz que tem 5 mil. Se ele tem um carro, diz que tem cinco. Se ele tem dois ou três padres que o seguem, ele diz que tem trezentos. A numero”latria” é pecado, e geralmente quem usa este método é porque se considera covarde, indigno de assumir a realidade de Deus para sua vida.», esquecendo-se que mentindo afirma ter/ser o que não tem/é:
- «mais de mil pessoas divididas pelos sábados e domingos à Capela do Seminário de Santa Filomena, no Campo das cebolas», o que significa ter cerca de 500 pessoas por celebração (ver RN-10); mas em Agosto de 2007, unicamente recebia 200 pessoas nas missas dos fins de semana (ver RN-04);

Exemplos dessa afluência, onde se podem contar as várias "centenas" de fiéis

- «...o chefe dos católicos ortodoxos ibéricos adiantou que serão construidas novas igrejas em Setúbal, Porto, Sintra e Algarve para os actuais 50 mil fiéis, para além de, dentro em breve, estar em fase de construção o novo mosteiro de Setúbal...», pelo que podemos ver o excelente trabalho pastoral do sr. Armando Monteiro, que em menos de um ano, entre a data de fundação da sua comunidade em 1990 (ver DC-01; DC-02) e a data da reportagem 15 de Julho de 1991, teve um crescimento fantástico, chegando mesmo a ultrapassar o número dos Católicos Ortodoxos Canónicos que em 1997 atingiam 15.000 (ver RN-57), um número bastante inferior para um trabalho de três décadas e ultrapassado pelo sr. Armando Monteiro em apenas um ano. Fantástico!!!;
- «IACO É A IGREJA DE COMUNHÃO CATÓLICA QUE MAIS CRESCE  NO MUNDO. JÁ ATINGIMOS CINCO MILHÕES DE PESSOAS EM 22 ANOS DE ATUAÇÃO», pelo que podemos entender que a IACO - Igreja Apostólica Católica Ortodoxa - não se trata de uma comunidade "Ortodoxa". Bem, neste ponto já tinhamos chegado a essa conclusão. Mas ficamos admirados com o número atingido de fiéis (5.000.000), para o templo da comunidade, situado em Lisboa, e sem falar no fantástico crescimento de 50.000 em 1991, para 5.000.000 em 2012. Quem conhece o lugar, saberá que cabem lá muito mais do que cinco milhões de pessoas... (ver RN-23); porém, tal crescimento talvez se deva à "Consagração da Igreja da Sagrada Família em Barcelona", um suposto lugar de culto em terras de Espanha (ver RN-83);
- «É GRANDE O NUMERO DE PADRES DAS IGREJAS CATOLICAS IRMÃS QUE PEDEM INCARDINAÇÃO EM NOSSA JURISDIÇÃO POR NÃO ACEITAREM A LEI DO CELIBATO E DA CONFISSÃO AURICULAR», pelo que podemos ver a boa comunhão eclesial que a comunidade do sr. Armando Monteiro possui com as Igrejas Católicas, especialmente a Igreja Católica Apostólica Romana (ver RN-28), e vemos os numerosos "padres" que o mesmo possui para a assistência pastoral aos 5.000.000 de fiéis (ver RN-23);

e) «O falso Bispo é prepotente e orgulhoso: geralmente ele se acha melhor e mais esperto do que os outros. (...) Geralmente usa as roupas religiosas mais caras especialmente de outra Igreja, para impressionar...», esquecendo-se o sr. Armando Monteiro que prepotente, significa: poderoso, influente. Ora, pelo que S.B. Dom Paulo Jorge de Laureano (Mar Alexander I da Hispânea), foi testemunha ocular enquanto presbítero da comunidade eclesial do indivíduo que acusa agora os demais de prepotentes, tentou de uma maneira pouco inteligente e infeliz mostrar a sua grande "influência e poder" na sociedade portuguesa, especialmente entre a nobreza legítima e reconhecida mundialmente, quando mentindo afirmou ao Sr. Fernão Marques Gomes (Deposto e reduzido ao Estado Laical em 29 de Junho de 2015), unicamente por prepotência e orgulho, que já tinha concedido títulos de nobreza em nome e a pedido de S.A.R. Dom Duarte Pio de Bragança, Duque de Bragança e Chefe da Casa Real Portuguesa. Parece-nos que, não é possivel ver um indivíduo deste estilo, senão como lunático. Não sabia o mentiroso em sua "principesca sabedoria" que o Sr. Fernão Marques Gomes, era na altura membro da direcção da Real Associação de Lisboa, na presidência do Sr. Dr. Ricardo Abranches, e que conhecia pessoalmente ao Duque de Bragança, com quem mantinha bons laços de amizade e respeito. No que diz respeito ao uso de roupas religiosas mais caras e de outra Igreja, vejam a resposta (ver 18º e 19º resposta);

f) «O falso Bispo é estrela: ele quer ser aplaudido, idolatrado, celebrado. Ele fica em posição de destaque. Sempre terá defensores fiéis, porém pessoas sérias logo percebem a farsa que ele é», esquecendo-se o sr Armando Monteiro, que ao analisarmos todo o seu curriculum, só podemos concluir que o mesmo fala dele próprio (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-05; RN-09; RN-10; RN-14; RN-15; RN-16; RN-17; RN-18; RN-19; RN-20; RN-21; RN-22; RN-23; RN-25; RN-27; RN-28; RN-29; RN-30; RN-31; RN-33; RN-34; RN-35; RN-36; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-41; RN-42; RN-43; RN-45; RN-46; RN-47; RN-48; RN-50; RN-67; RN-69; RN-72; RN-93; RN-94). Vejamos:
- «Descendente directo dos LASKARY...» (ver RN-05);
- «...milhares de fiéis a seguirem a missa do Arcebispo carismático, Dom Armando, 50 anos...» (ver RN-10);
- «...O Arcebispo é da renovação carismática, do movimento o Karisma da Libertação e exorcista...» (ver RN-10; RN-69);
- «...o Arcebispo é visto como um iluminado. Com a força das palavras e o incentivo ao público, o Arcebispo arranca demonstrações de crença das pessoas...» (ver RN-10);
- «...o Arcebispo pede para que os fiéis digam uns aos outros que a sua oração tem poder e que podem realizar milagres...» (ver RN-10);
- «...ao final da missa, quando o Arcebispo usando o dom de línguas, anda entre os fiéis com o Santíssimo Sacramento nas mãos...» (ver RN-10);
- «...O Arcebispo reza por cada um deles, que em algumas ocasiões, chegam a cair no extase, quando segundo o Arcebispo, descansam no Espírito Santo...» (ver RN-10);
- «...O Arcebispo explica que usa os dons da cura, do descernimento e de línguas. “São dons que Jesus deu aos que crêem. O dom de línguas é cada um orar em som alto ininteligível, para edificar espiritualmente a pessoa. É pela própria pessoa e por aqueles que você reza”...» (ver RN-10);
- «...os Príncipes herdeiros da Casa Imperial Vatatzes-Laskaris, como é o caso de Sua Alteza Imperial Dona Maria José Barbara e seu filho herdeiro Dom Armando, Principe da Bytinia e Kostamonte, Príncipe Apostólico de Kostamonte e Grão-Mestre da Venerável e Soberana Ordem de São Miguel de Kostamonte, que concede titulos de nobreza, muitos hereditários, tais como os de Duque, Marquês, Conde, Visconde e Barão...» (ver RN-14);
- «...provém de uma das mais destacadas famílias do Império Romano do Oriente a Dinastia Vatatzes-Lascaris e também dos Romanov,...» (ver RN-14);
- «...Estuda em Portugal,USA e Brasil Doutorando-se em Medicina,Psicologia,Teologia e Neurociência...» (ver RN-14), apesar de não estar inscrito na Ordem dos Médicos (ver DC-51);
- «...Durante muitos anos trabalha em prol dos mais pobres dirigindo a ONG Bom Samaritano em S. Paulo...» (ver RN-14);
- «...funda a Ordem Constantiniana de S.Jorge Apostólica y Bizantina, continuando assim na Península Ibérica as suas obras beneméritas...» (ver RN-14);
- «...tem vindo a colocar, tal como outros os seus interesses pessoais, e sobretudo económicos, ao serviço dos interesses próprios da comunidade e dos cidadãos em geral, colocando-se como verdadeiro paradigma da Nobreza...» (ver RN-14);
- «...Também é psicológo Clínico e trabalha dando consultas ainda hoje para se manter económicamente independente da Igreja...» (ver RN-25), apesar de não estar inscrito na Ordem dos Psicólogos (ver DC-52);
- «...Milhares de pessoas que frequentam o Seminário de Santa Filomena o fazem para estar mais próximo das suas orações e das suas famosas Missas de Saúde e libertação...» (ver RN-25; RN-69);
- «...Esta fama, que se tem espalhado por todo o mundo Cristão tem também aqueles personagens mesquinhos e baixos, que vivem da mentira e dos boatos. Mas D. Armando é superior a tudo isso, continuando a ajudar a todos que acreditam no seu Carisma de Fé e Amor ao Próximo...» (ver RN-25);
Existem ainda mais pontos, mas creio que já dá para ficar com uma ideia de quem é a estrela!;

g) «O falso Bispo é um criminoso falsificador: ele inventa documentações, cria diplomas e certificados falsos, forja papéis e reconhecimentos para respaldar seu ministério», mas esquece-se o sr. Armando Monteiro que acusa os demais, que é ele que apresenta "documentos", "diplomas" e "certificados" no mínimo estranhos e com validade suspeita, tendo alguns as características de serem forjados e falsificados. Que nome chamar a quem cria diplomas e certificados falsos ao assinar documentos com o nome de pessoas já falecidas ou documentos com data posterior? Que nome chamar a quem forja papéis e reconhecimentos para respaldar o seu ministério, chegando a assinar os próprios documentos usando outro nome? (ver DC-10; DC-11; DC-12; DC-13; DC-15; DC-28; RN-01; RN-02; RN-03);

h) «O falso Bispo é como fogo de palha: ele é bom a falar e sabe manejar bem a Palavra, porém suas ministrações são quentes e sem profundidade...», esquecendo-se o sr. Armando Monteiro, quando para ele existiam dois tempos na Missa, antes do ofertório e depois do ofertório: se o respetivo cestinho não corresponder ao esperado a Missa em 10 minutos poderá estar terminada, a não ser que estivesse alguém a quem agradar. Por outro lado o fogo que aquece as ministrações do falso bispo, muitas vezes passam por manifestações espíritas durante a celebração da Missa, como a que ocorreu em 15 de Fevereiro de 2004, na pessoa do sr. Armando Monteiro, dentro do Santuário de Nossa Senhora das Lágrimas para escândalo os fiéis e do clero presente (estavam igualmente presentes então como clérigos da comunidade eclesial, Mons. Paulo Jorge de Laureano, e o Padre-Diácono Humberto Jorge Pereira Rolo, por ex.), pensando o "arcebispo-espírita" que tais ministrações que pratica em "transe" atingem a profundidade espiritual, especialmente quando a entidade se apresenta como "Santo Padre Pio de Pietrelcina", como foi o caso;

i) «O falso Bispo é manipulador: As pessoas que estão debaixo dele o temem, e fazem o que ele manda sem pensar nas consequências. Ele sabe manipulá-las, e elas ficam acorrentadas. Geralmente você encontrará sempre várias pessoas que tem o testemunho de “ex-manipuladas” por ele... (...) e considera estas pessoas endemonhiadas e maledicentes (mas na verdade são apenas vítimas do engano)...», mas esquece-se do que fez e faz aos ex-clérigos de sua comunidade eclesial, a quem falsamente excomunga, numa parca tentativa de os aprisionar, e a quem difama para depois acusa-los de maldizentes, quando o que fazem é restituir a verdade de sua honra e bom-nome (ver DC-15; RN-90; RN-94). Que nome chamar quem tenta manipular e subjugar com conversas de confissionário, no decorrer do ministério sacerdotal?

j) «O falso Bispo visa lucros financeiros: Se a igreja quiser uma amnistia, uma ajuda, por não ter condições, ele não abre mão...», mas esquece o sr. Armando Monteiro o verdadeiro "ministério sacerdotal", em prol de supostas "imagens milagreias" e de vendas de "rosas brancas com uma bênção especial", de pedaços do "santo lenho", para já não falar de manifestações cruciais na antiguidade, quando até aparecia "estigmatizado" em certos dias do ano, como manifestação da sua santidade pessoal. Será que tudo isto não visa o lucro financeiro? Talvez se fossem revelados alguns negócios e algumas contas bancárias, desconhecidos até pelo MInistério das Finanças, se poderia ver à luz do dia quem visa lucros financeiros, revelando quem é o falso bispo que visa lucros financeiros (ver RN-70; RN-72; RN-91);

l) «O falso Bispo parece “bom demais para ser verdade”... (...) Mas na verdade é só fachada, e quem “comer um quilo de sal com ele” saberá quem ele é de verdade...», mas esquece o sr. Armando Monteiro, que a santidade pessoal não se apregoa nos telhados, mas pode enganar-se quem vê as lágrimas de crocodilo de alguém que parece um santo, e que muitas vezes quer mostrar que tem um "elo de ligação com o além", e faz bem por merecer, pois esforça-se por ser um bom actor de teatro, mas a mediocridade do falso actor não passa despercebida a um simples apreciador de boas peças de teatro. Por outro lado, para quem o conhece na intimidade e que partilhou muitas e muitas horas com o aprendiz de actor, sabe bem as bases das suas coreografias e o que está por debaixo da máscara da santidade;

m) «...Antes de convidar esse «bispo», Virtual…. para sua vida religiosa, garanta que:...», mas pergunto-me se o sr. Armando Monteiro pensou bem acerca deste assunto referente à sua pessoa, antes de acusar os demais. Vejamos:
- «Sua formação teológica é verdadeira, e respaldada dentro dos tramites legais...», neste ponto o indivíduo fala das suas licenciaturas em teologia, doutoramentos, etc, mas olhemos melhor acerca deles: que nome chamar a quem diz que foi convidado para estudar nos Estados Unidos da América em 1978, para fazer o doutoramento em teologia, quando o mesmo só tinha 20 anos? Será que possuia legalmente uma licenciatura em teologia em Portugal à altura dos factos? Afirma possuir um bacharelato em teologia, mas em três meses!? Só se pode concluir que o mesmo a ter uma licenciatura em teologia, unicamente pode ter ganho "créditos" (semelhantes aos ganhos pelo Dr. Relvas), e certamente por sua exemplar vida monástica enquanto monge da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal? Que pensar de tudo isto?(ver DC-14; DC-51; DC-52; RN-01; RN-03; RN-05; RN-25; RN-51);
- «Igrejas foram abençoadas profundamente através dele (entre em contato com igrejas)», falando de si mesmo e das cordeais relações que mantem com a Igreja Católica Ortodoxa de Portugal na qual foi Consagrado Monge e igualmente a Igreja Católica Ortodoxa Americana na qual recebeu a "ordenação episcopal" (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-28);
- «Ele é humilde, e está disposto a ajudar de alguma forma,...», (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-05; RN-09; RN-10; RN-14; RN-15; RN-16; RN-17; RN-18; RN-19; RN-20; RN-21; RN-22; RN-23; RN-25; RN-27; RN-28; RN-29; RN-30; RN-31; RN-33; RN-34; RN-35; RN-36; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-41; RN-42; RN-43; RN-45; RN-46; RN-47; RN-48; RN-50);
- «Ele visa o Reino de Deus...», porém, neste ponto, o Reino de Deus e a sua justiça devem ser mais, o seu reino "principesco" e o reino de seu pai, o Diabo... (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-05; RN-09; RN-10; RN-14; RN-15; RN-16; RN-17; RN-18; RN-19; RN-20; RN-21; RN-22; RN-23; RN-25; RN-27; RN-28; RN-29; RN-30; RN-31; RN-33; RN-34; RN-35; RN-36; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-41; RN-42; RN-43; RN-45; RN-46; RN-47; RN-48; RN-50);
- «Ele tem uma família abençoada...», embora no texto original, seja: «Ele tem uma esposa e família abençoada»,

Pode ver-se nas fotos a aliança no dedo anelar esquerdo do sr. Armando Monteiro, pelo que é possivel que tenha uma esposa e família abençoada, embora mantida em segredo

- «Ele tem um ministério do tamanho de suas palavras (sem exageros)», sendo por demais evidentemente que o ministério das palavras muitas vezes cai em saco roto, mas as palavras do indivíduo são de uma verdade gigantesca, basta contar as mentiras e as verdades, e fazer a média... (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-05; RN-09; RN-10; RN-14; RN-15; RN-16; RN-17; RN-18; RN-19; RN-20; RN-21; RN-22; RN-23; RN-25; RN-27; RN-28; RN-29; RN-30; RN-31; RN-33; RN-34; RN-35; RN-36; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-41; RN-42; RN-43; RN-45; RN-46; RN-47; RN-48; RN-50; RN-90);
- «Ele não deixou rastros obscuros em sua caminhada. (...) Hoje existe uma gama de pessoas que se acham “iluminadas” e cheias de uma pseudo-autoridade que nem de longe têm. São os falsos profetas que se apoderam dos títulos mais modernos...», porém, copiar os textos, altera-los e publica-los sem sequer ver as contradições que se acrescentaram, são uma verdadeira prova de "iluminação". Deve ser dai que o indivíduo é conhecido como "arcebispo iluminado", como bem demonstra o RN-21, (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-05; RN-09; RN-10; RN-14; RN-15; RN-16; RN-17; RN-18; RN-19; RN-20; RN-21; RN-22; RN-23; RN-25; RN-27; RN-28; RN-29; RN-30; RN-31; RN-33; RN-34; RN-35; RN-36; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-41; RN-42; RN-43; RN-45; RN-46; RN-47; RN-48; RN-50; RN-67; RN-72; RN-90);
- «Quando não buscam o “aparecer” egoístico dos publicanos nas sinagogas, buscam o dinheiro dos trouxas. Devemos ter muito cuidado, pois podemos deparar-nos com esses hipócritas e mentirosos a qualquer momento...», (ver RN-02; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-48);
- «Como podemos identificá-los dos verdadeiros servos de Deus? É fácil! É só ir pela ilustração da árvore e seus frutos! Os mentirosos logo são desmascarados pela primeira mentira. A hipocrisia é revelada quando são apanhados vivendo o que não pregam. a ganância é revelada pela ambição do ganho fácil, sem trabalho e esforço, ou mesmo ganho ilícito das lições do Velho Testamento.», (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-05; RN-09; RN-10; RN-14; RN-15; RN-16; RN-17; RN-18; RN-19; RN-20; RN-21; RN-22; RN-23; RN-25; RN-27; RN-28; RN-29; RN-30; RN-31; RN-33; RN-34; RN-35; RN-36; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-41; RN-42; RN-43; RN-45; RN-46; RN-47; RN-48; RN-50).

15º - Acusa os demais de serem apóstatas e hereges.

Neste ponto, acreditamos que o sr. Armando Monteiro, numa atitude de delírio maníaco com excessos de "iluminação", unicamente pode ter faltado à aula de teologia, quando foram tratados temas como: apostasia e heresia. Assim, vejamos atentamente cada ponto:
a) apostasia, é o acto de apostatar, abandonar, abjurar publicamente uma religião por outra, abjuração, abandono de uma doutrina.
b) heresia, é uma doutrina contrária aos preceitos estabelecidos pela Igreja (entendendo-se aqui a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica, fundada sobre a Doutrina dos Doze Apóstolos e dos Santos Concílios Ecuménicos - os sete primeiro).
Ora, parece-nos bastante estranho, que um indivíduo que:
a) profana, desrespeitando a santidade do lugar de culto;
b) tem manifestações de carácter espírita (psicopraxia) durante a celebração da Eucaristia, que ocorreu em 15 de Fevereiro de 2004 (ver RN-68);
c) tem actos públicos de desrespeito para com um Presbítero, em pleno lugar de culto;
d) vende "pedras ungidas com o Santo Óleo do Crisma" para protecção das pessoas, e pedaços do "santo lenho" (ver RN-72);
e) vende "exorcismo" em troca de milhares de euros (ver RN-70);
f) vende "rosas brancas com uma bênção especial do arcebispo", para levarem para casa;
g) faz trabalhos de "união de velas" representando figuras humanas para unir/separar casais;
h) realiza "bênçãos" em fotografias de defuntos para enviar as suas almas para o Paraíso; etc;
o que unicamente pode ser visto como actos de apostasia e heresia, tenha a ousadia de acusar os demais de apóstatas e hereges, esquecendo que nada destes actos praticados por si enquanto o exercício do "ministério episcopal" que afirma possuir, estão dentro da Doutrina da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica, nem dignificam e honram a Santa Ortodoxia.

16º - Acusa os demais de usarem o Nome de Deus em beneficio próprio.

No que respeita a usar o nome de Deus em beneficio próprio, parece-nos que o sr. Armando Monteiro está esquecido do que afirmou o representante em Portugal da Igreja Ortodoxa Grega, que diz: «Quanto aos alegados exorcismos, o Padre Alexandre Bonito diz que tem sido contactado por pessoas que dizem ter sido "ludibriadas", como aconteceu o ano passado na Madeira, onde o "arcebispo" Monteiro foi dar consultas espirituais"» (ver RN-02). Efectivamente, S.B. Dom Paulo Jorge de Laureano (Mar Alexander I da Hispânea), recorda-se bem desse momento, em que por mera coincidência a Madre Abadessa Maria da Conceição Mendes Horta, foi excomungada pela Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, na pessoa de S.B. Dom João I (Mário Manuel Lopes Ribeiro), Arcebispo Metropolita Primaz. Ora, tendo o sr. Armando Monteiro sabido do facto pela comunicação social, unicamente manifestou a intenção de voltar à Ladeira do Pinheiro, a fim de convencer a Madre Abadessa a incardinar-se na sua comunidade eclesial, não sendo a fundação que totela o Santuário um problema para o mesmo senhor. Porém, como Deus tem os seus próprios desígnios, a Madre Abadessa vem a realizar o seu Nascimento para os Céus cinco dias após a sua excomunhão. Recorda Sua Beatitude, que foi o mesmo, então Presbítero e chefe de gabinete do sr. Armando Monteiro, que comunicou a notícia do fatídico acontecimento ao candidato a ficar com a obra da Ladeira do Pinheiro.
Lendo atentamente alguns textos escritos e publicados pelo sr. Armando Monteiro, chama-nos à atenção um texto no qual ele afirma: «Por não aceitar que o Arcebispo DOM JOÃO GABRIEL, venha a legalizar canonicamente a chamada "Santa da Ladeira" e as pertenças aparições que ai teriam acontecido, Dom ARMANDO a 16 de Outubro de 1978 deixa de livre e espontânea vontade a jurisdição da IGREJA VELHO CALENDARISTA, na pessoa do seu Arcebispo Metropolita.» (ver RN-05); embora o mesmo afirme algo diferente em outra ocasião: «Consagrado monge no Mosteiro dos Jerónimos em 1977, uma data que muito o emociona – 29 de Junho – dia de São Pedro e São Paulo, a que chama de “um novo começo. Um encontro comigo e com Deus.” Após dois anos, os Estados Unidos da América esperavam por ele.(...)» (ver RN-84). Ora, parece-nos que abandonar a anterior Jurisdição Canónica "de livre e espontânea vontade", segundo as suas palavras, por S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha) legalizar canonicamente a Ladeira do Pinheiro e os acontecimentos que teriam ocorrido ali, numa altura em que ainda não existia o grande Santuário-Catedral de Nossa Senhora das Graças, venha passados 22 anos, mostrar interesse pela obra ali construida.
É bom ter em atenção o que o Arquimandrita José, da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal afirma publicamente: «No final dos anos 70, Armando Monteiro passou dois ou três meses como «aspirante de um dos nossos Mosteiros, em Sintra», recorda José. Mas a sua conduta pessoal não se coadunava com a nossa vida monástica. Chegou a abeirar-se das pessoas, procurando recolher assinaturas com vista à sua sagração episcopal. E chegou mesmo, nessa altura, a anunciar milagres. Por isso, D. João Gabriel, aconselhou-o a procurar novas paragens.». E ele logrou a dica. (...)» (ver RN-03); e igualmente o referido publicamente pelo Padre Alexandre Bonito, representante da Igreja Ortodoxa Grega em Portugal, em que o mesmo «contesta a existência da "Igreja Apostólica Católica Ortodoxa" como culto religioso, considerando que se trata de uma pura invenção de Armando Monteiro. (...) É uma mera associação criada pelo mero fundador, e pouco mais que isso. São quatro mentiras, nem é igreja, nem é católica, nem é apostólica, e muito menos ortodoxa. (...) ...adiantando que conheceu o "arcebispo" há anos, quando ele se intitulava sacristão da Igreja Católica, sem o ser. É um individuo que organizava excurções de velhinhas, a partir da Baixa da Banheira para a Santa da Ladeira.» (ver RN-02).

17º - Acusa os demais de viverem de irregularidades...

Quando alguém tem a ousadia e prepotência de acusar os demais "de viverem de irregularidades", como aconteceu com o sr. Armando Monteiro, é de acreditar que anteriormente terá tido a "iluminação" de fazer um exame de consciência, pelo que nos resta apelar à consciência do leitor acerca de tudo o que leu até aqui e do que ainda se segue, referente à figura "canónica" do "arcebispo" perfeito e pleno "ortodoxo", e fazer o seu próprio juizo (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-05; RN-09; RN-10; RN-14; RN-15; RN-16; RN-17; RN-18; RN-19; RN-20; RN-21; RN-22; RN-23; RN-25; RN-27; RN-28; RN-29; RN-30; RN-31; RN-33; RN-34; RN-35; RN-36; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-41; RN-42; RN-43; RN-45; RN-46; RN-47; RN-48; RN-50; RN-72; RN-91; RN-94).
Que exemplar vida moral e regular (eclesiasticamente falando) possui o sr. Armando Monteiro para apontar o dedo, a quem quer que seja?
(ver RN-90)

18º - Acusa os demais de se fazerem passar por Católicos Apostólicos Romanos.

O sr. Armando Monteiro, quando nos dias de pouca "iluminação" se põe a tecer acusações acerca dos demais, deveria parar e meditar um pouco. Talvez, após a meditação viesse a ter consciência de que ao acusar os outros, estaria única e simplesmente a acusar-se a si próprio. Ora vejamos:
- ao afirmar ser «bispo da Igreja Romana» (ver RN-47), não terá a intenção de se fazer passar como bispo da Igreja Católica Apostólica Romana?

- ao afirmar ser «exorcista católico» sem mencionar o termo "ortodoxo" ou mesmo o nome da sua comunidade eclesial (ver RN-48), não será uma clara tentativa de confundir aqueles que o não conhecem, levando-os a pensar que se trata de um exorcista católico romano e reconhecido pelo Vaticano, o que não acontece?
- quando usa vestes tipicamente latinas (especialmente usadas na Igreja Católica Apostólica Romana), não estará a fazer-se passar pelo que não é?

Com solidéu vermelho, usado pelos eminentíssimos cardeais romanos

Com solidéu branco, usado pelos papas de Roma

Com mitra latina de duas pontas

Em nada semelhante com o catolicismo romano

- quando celebra festas liturgicas latinas, como por exemplo a "Solenidade da Assunção de Nossa Senhora", que afirma que Maria foi levada de corpo e alma para o céu (este dogma foi proclamado ex cathedra pelo Papa Pio XII, no dia 01 de Novembro de 1950, por meio da Constituição Munificentissimus Deus), em vez de celebrar a "Solenidade da Dormição de Maria" celebrada em todas as Igrejas Ortodoxas, e que afirma que Maria entrou em sono profundo, antes de sua morte natural, não estará a fazer-se passar por católico romano?

Missa da Assunção de Maria na comunidade eclesial do sr. Armando Monteiro

- quando concede indulgências em contradição pelo aceite na Santa Ortodoxia, não estará a fazer-se passar por católico romano? (ver RN-66)

19º - Acusa os demais de repetirem os gestos da Santa Madre Igreja.

Quando alguém que se diz "canónico arcebispo ortodoxo" como é o caso do sr. Armando Monteiro, estranha-nos que na sua prepotência, altivez e soberba, acabe por ter o despropósito de acusar os demais de repetirem os gestos da Santa Madre Igreja, quando qualquer clérigo que seja verdadeiramente membro da Orbe Sacerdotal da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica, seja dentro da Santa Ortodoxia ou na Igreja Ocidental Latina (Romana), procura repetir sempre os gestos da Santa Igreja, segundo o previsto nos Ritos e nos Livros Litúrgicos. Ora, quando o sr. Armando Monteiro acusa os demais de repetir esses mesmos gestos, afirma uma verdade. Porém, a surpresa que o mesmo demonstra talvez se deva ao facto de se distanciar cada vez mais desses mesmos gestos em seus actos públicos (ver RN-02; RN-03; RN-04; RN-06; RN-10; RN-22; RN-24; RN-26; RN-28; RN-35; RN-48; RN-49), apesar de ser um dos que os copia.

Exemplos em que o sr. Armando Monteiro repete os gestos da Santa Igreja

20º - Acusa os demais de misturarem os ritos da Igreja.

Ao olhar para as várias "cerimónias" presididas pelo sr. Armando Monteiro, que acusa os demais de misturarem os Ritos da Igreja, como se ele fosse um exemplo de fidelidade às rúbricas dos Livros Litúrgicos e da Tradição da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica, faz com que qualquer cristão com o mínimo de conhecimento litúrgico fique estupefacto com o que vê.
O sr. Armando Monteiro, afirma descender da Igreja Católica Ortodoxa Americana (The American Orthodox Catholic Church), a qual chama de "Igreja-Mãe", e na qual tenta fundamentar a sua "canonicidade", embora pelas suas práticas estejam em campos antagônicos. Esta Igreja (The American Orthodox Catholic Church), foi fundada por S.S. São Wolodimyr I (Walter Myron Propheta), e incluía a tradição litúrgica oriental e ocidental (bizantina e latina) nas Celebrações e Sacramentos de uma, Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica. Permitiu a cada Bispo em sua Diocese a liberdade de decidir o uso do Rito Latino ou Rito Bizantino, o uso do Calendário Gregoriano ou do Calendário Juliano, assim como o facto de os Clérigos (bispos, presbíteros, diáconos e outros) poderem ser casados, de poderem usar barba ou não, assim como o uso ou não das vestes clericais na rua, respeitando a liberdade do cristão e clérigo ortodoxo, desde que os serviços, ritos e cerimónias não exprimissem nada contrário à Fé Ortodoxa da Igreja - Una, Santa, Católica e Apostólica de Cristo. Será que o sr. Armando Monteiro conhece os Estatutos e os Cánones da Igreja da qual diz descender a sua comunidade eclesial, ou será que a tão proclamada "inter-comunhão canónicas" ficou unicamente no papel!? (ver DC-05)
Parece-nos que, misturar tudo é dizer-se ortodoxo, e:
- usar solidéu branco (tal qual o Papa de Roma, talvez para se sentirem "papas") com paramentos bizantinos, ou "barretes tipicamente indianos", parecendo mais uma “kipá” (usada por judeus Bikharan, que vivem em ex-repúblicas soviéticas do Uzbequistão, Tajiquistão, Quirguistão, entre outras, que falam judaico-tajik, um dialecto persa com letras hebraicas, e que pertencem ao grupo judeu da Mizrahimmas), procurando ostentar uma primazia universal inexistente;

Usa o solidéu branco com o Sakkos

Usa o "barrete" com o paramento latino de estilo gótico (figª esqª), ou com o Sakkos (figª dirª)

Usando um Skufia (de rito bizantino) com o paramentos de rito latino de estilo gótico

- fazer aberrações litúrgicas, como celebrar a Eucaristia em Sexta-feira Santa da Paixão esquecendo a antiquíssima Tradição da Igreja;
- ter atitudes de psicopraxia (termo utilizado pela doutrina espírita para descrever o acto pelo qual um médium permite que um espírito se manifeste através de seu corpo), como as que aconteceram publicamente num "serviço litúrgico" dominical e perante o escândalo dos fiéis, exprimiram práticas "de misturar os ritos da Igreja", e mais grave ainda, misturar actos contrários à Fé Ortodoxa, misturando o sagrado com o profano...;
-
ungir as costas das mãos do ordenando durante a "ordenação presbiteral", também é um acto que não se encontra na Tradição da Igreja, pois são as palmas que são ungidas com o Santo Óleo do Crisma;

Exemplo dessa nova prática pelo sr. Armando Monteiro

- persignar os fiéis com a chave do sacrário, abençoando-os também é um acto que não se encontra na Tradição da Igreja;

Exemplo dessa nova prática pelo sr. Armando Monteiro

- abençoar "rosas brancas" para distribuir aos fiéis com a "bênção especial do arcebispo iluminado", também é um acto que não se encontra na Tradição da Igreja;

Exemplo dessa nova prática pelo sr. Armando Monteiro

- rezar pelos fiéis durante as celebrações litúrgicas, ao ponto de provocar com que os mesmos caiam em "êxtase", como que "decansando no Espírito Santo", também é um acto que não se encontra na Tradição da Igreja (ver RN-10).

21º - Acusa os demais de simonia e de ordenar a qualquer um.

Os actos de simonia (tráfico de coisas sagradas; venda de bens espirituais), nunca fizeram parte das práticas dos Clérigos que professam a verdadeira Fé da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica, e seguem os Cánones dos Santos Concilios Ecuménicos e da Tradição da Igreja, como deveria ter conhecimento o sr. Armando Monteiro. Mas, acusar os outros de vender coisas sagradas ou bens espirituais, possivelmente numa recordação pessoal e do enorme curriculum de "virtudes" e "bons costumes", suscita uma dúvida: para quem vende "títulos de nobreza" e concede "licenciaturas" e "condecorações" (ver DC-35; RN-36; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-45), não admira que possa igualmente comprar ou vender "ordenações", mesmo sabendo que quer uns quer outros actos a não serem legítimos carecem de total validade.
Por outro lado, o indivíduo que acusa os demais de práticas de simonia foi "ordenado" por um Arcebispo que é acusado publicamente de praticar actos de simonia: «...a Sagrada Congregação para os Sacramentos, não reconhece nenhuma dessas ordenações depois de um tal de Milton Cunha ter vendido o sacramento e praticado a simônia...» (ver RN-58).

22º - Acusa os demais de terem ordenado bruxos.

O sr. Armando Monteiro, acusa os demais de ordenarem "bruxos", tendo como base da sua maledicência o passado ocultista de algum indivíduo em questão. Mas, esquece que, pior do que ter praticado o ocultismo no passado e antes da sua Conversão à Igreja, é dizer-se "bispo ortodoxo", e praticar nessa mesma qualidade actos de magia e ocultismo, como os praticados por qualquer feiticeiro, caindo isso sim em heresia e excomunhão. Parece-nos que: ter manifestações de carácter espírita (psicopraxia) durante a celebração da Eucaristia; fazer trabalhos de "união de velas" representando figuras humanas para unir/separar casais; ou realiza "bênçãos" em fotografias de defuntos para enviar as suas almas para o Paraíso, praticados pelo sr. Armando Monteiro, podem colocar-se entre os actos praticados por bruxos, videntes, magos e feiticeiros, e jamais entre os actos praticados por legítimos Bispos Ortodoxos. Porém, tal não é certamente o caso! (ver a 15ª resposta)

23º - Acusa os demais de serem mentirosos, farsantes e de envergonharem o Evangelho de Cristo.

Perante a acusação do sr. Armando Monteiro, que tem a ousadia de acusar os demais de "mentirosos, farsantes e de envergonharem o Evangelho de Cristo", sem sequer fazer um exame de consciência, resta-nos unicamente esclarecer quem nos lê, acerca de quem é o verdadeiro mentiroso, farsante e que por seus actos públicos tem envergonhado o Evangelho de Cristo e a Santa Igreja. Quando um mentiroso acredita na própria mentira passa a ser um caso patológico, e mais grave ainda é quando chama aos demais os adjectivos, que o descrevem, qualificam e caracterizam na perfeição. Ora vejamos:
01) é mentiroso quando afirma ter nascido em Lisboa no ano de 1978, quando na verdade nasceu em Ovar no ano de 1958, entre outras coisas (ver RN-18; RN-29; RN-80); ou quando aforma ter nascido em 1969 (ver RN-88);

02) é mentiroso quando afirma ter sido ordenado "diácono e presbítero" pelas mãos de S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha), Arcebispo Primaz da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal (ver RN-05);

03) é mentiroso quando afirma que tem a representação da Comunidade Ortodoxa (subentende-se em Portugal), dando a ideia que é o "máximo superior" dos Ortodoxos em Portugal (ver RN-28; RN-43; RN-83);

04) é mentiroso quando afirma que: «É um Arcebispo da Santa Madre Igreja, que desde á 18 anos vem exercendo como exorcista, recebendo pessoas de todas as partes do mundo que o procuram para tratar os seus problemas espirituais pessoais ou de suas casas ou comercios» (ver RN-30);

05) é mentiroso quando afirma ser: «descendente do Imperador Romano Constantino I, filho de Santa Helena» (ver RN-31; RN-76);


06) é mentiroso quando afirma ser «descendente dos Romanov» e «reconhecido pela Igreja Ortodoxa», quando na verdade é unicamente reconhecido pela sua comunidade eclesial, fundada por si mesmo; sendo um «verdadeiro paradigma da Nobreza» (ver RN-14; RN-15);

Um exemplo de bom gosto, que caracteriza a todos os paradigmas da nobreza

07) é mentiroso quando afirma que: enquanto "príncipe de Kostamonte" foi coroado pelo Patriarca da Ibéria Gabriel II, na Catedral Católica Ortodoxa de Lisboa (ver RN-22; RN-86; RN-89).
Perante tal afirmação, que deixa qualquer um de boca aberta, acerca do descaramento do sr. Armando Monteiro, que ousa apresentar-se como "arcebispo ortodoxo" e que tece acusações aos demais, poder mentir com tanta desvergonha. Ora vejamos:
a) - a foto apresentada não é da coroação de nenhum "príncipe de Kostamonte", pelo que o indivíduo mente descaradamente
. A foto foi tirada no dia 08 de Dezembro de 2002, durante a celebração litúrgica no Santuário de Nossa Senhora das Lágrimas, presidida pelo sr. Armando Monteiro, e concelebrada pelos então Presbíteros de sua comunidade eclesial, o Padre Amador de Sousa José, e Monsenhor Paulo Jorge de Laureano, na qual foi nomeado chanceler e elevado a prelado doméstico (ver DC-44; DC-45); por outro lado, será bom recordar que foi exactamente nessa celebração que o sr. Armando Monteiro adoptou o "nome religioso" de Gabriel II (ver DC-49), pelo que a mentira está mais do que vista;

Entrega dos decretos a Mons. Paulo

A foto en questão apresentada para justificar o que não existiu, quando se tratava da incensação do altar durante o ofertório

Mons. Paulo, o verdadeiro mentiroso ao centro e o Padre Amador

b) - a foto apresentada como sendo do dia da "coroação" do suposto "príncipe de Kostamonte" (sr. Armando da Costa Monteiro) foi tirada no dia 21 de Maio de 2011, às 16:38 h, segundo a informação da própria fotografia, e a foto da suposta "coroação" pelo "patriarca da Ibéria" Gabriel II (sr. Armando da Costa Monteiro) foi tirada no dia 08 de Dezembro de 2002 (ver RN-33; RN-34), pelo que mais uma vez se vê a mentira;

Suposta foto do dia da "coroação"

foto do "principe de Kostamonte" sentado na Sala do Trono e Coroado com a Sagrada Coroa de Perolas foi tirada igualmente no dia 21 de maio de 2011, às 16:29

08) mais uma vez o tão verdadeiro "arcebispo", "patriarca", "príncipe", o que desejar ser, é mentiroso ao colocando-se como coroado e coroador, qual Napoleão, pois o que afirma ser o "príncipe de Kostamonte", "Sua Alteza Real Dom Armando" é o mesmo que afirma ser o "patriarca da Ibéria" Gabriel II (ver DC-10; DC-11; RN-22; RN-35);

09) apesar de todas as invencionices, patranices e falsidades, concede títulos de "nobreza" (ver RN-85), sendo mesmo acusado de vender os títulos de "nobreza" (ver RN-36; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40);

10) afirma aos demais possuir um "palácio theokrático" em Lisboa, que "integra a Família Real de Vatatzes" e possuir um "castelo de Vatatzes" em Lisboa (ver RN-41; RN-75; RN-85);

Foto do "palácio theokrático" e também "castelo de Vatatzes" em Lisboa, porém não é o edificio todo, mas unicamente da linha negra para a direita

11) é mentiroso quando afirma ser, «arcebispo primaz da Igreja Ortodoxa de Portugal» (ver RN-42; RN-43);

12) apresenta uma bandeira plagiada do "Principado de Kostamonte" (ver RN-44);

13)
afirma que a «Santa Igreja Apostolica Católica Ortodoxa era a religião oficial do Antigo Império», quando na verdade a verdadeira religião era a Igreja Católica Apostólica Ortodoxa, que nada tem com a suposta comunidade eclesial fundada pelo sr. Armando Monteiro em 1990 (ver RN-45);

14)
afirma através de um papel a que chama de "Carta Régia" que S.M. a Rainha Dona Amélia de Portugal (Dona Maria Amélia Luísa Helena de Orleães), era madrinha de sua avó (ver DC-28; RN-46; RN-77), mas ao analisarmos o suposto documento da Rainha em que "lhe reconhece a linhagem real", chama-nos à atenção alguns pontos:
- o brasão apresentado em nada é semelhante aos usados por S.M. a Rainha em suas legítimas cartas (ver DC-29);
- a assinatura apresentada de S.M. a Rainha Dona Amélia (ver DC-30), nada tem de semelhante com a real assinatura da Monarca (ver DC-31);
- a data do documento apresentado (27 de Junho de 1947), muito nos estranha, pois S.M. a Rainha Dona Amélia, só regressou a Portugal uma única vez após ir para o exílio, entre os dias 19 de Maio e 30 de Junho de 1945, pelo que é evidente que não é possivel que tenha assinado tal "Carta Régia", em Lisboa, em 1947;

15) é mentiroso quando se apresenta em blogs como sendo «bispo da Igreja Romana» (ver RN-47); ou então como «bispo de uma igreja católica independente» (ver RN-87);

16) é mentiroso quando afirma ser que «é considerado o maior Exorcista Vivo a exercer a cerimónia do exorcismo» (ver RN-62), "exorcista católico" sem mencionar o termo "ortodoxo" ou mesmo a comunidade eclesial, numa clara tentativa de confundir aqueles que o não conhecem, que são levados a pensar que se trata de um exorcista católico romano e reconhecido pelo Vaticano, o que não acontece (ver RN-48; RN-63); mas depois «Recorre ao visionamento da aura, através da fotografia Kirlian, para ver se a pessoa tem algum encosto ou outro mal» (ver RN-49; RN-50; RN-87);

17) é mentiroso quando afirma que foi consagrado monge na «capela dos Jerónimos», quando na verdade foi na "Ermida de S. Jerónimo"; e logo em seguida afirma que é «consagrado bispo pela Igreja Católica Ortodoxa Americana de raiz Russa» e que é «convidado para vir a Portugal desenvolver a Igreja Apostólica Católica Ortodoxa e o Seminário de Santa Filomena», o que não é verdade. O sr. Armando Monteiro funda a Igreja Apostólica de Sião, à qual altera o nome para Igreja Apostólica Católica Ortodoxa em 02 de Agosto de 1990, quatro dias antes de receber a "ordenação episcopal" no Brasil. Igualmente afirma a «abertura de Paróquias em todo o País, Lisboa, Setúbal, Santarém e Porto», pelo que gostavamos de saber onde ficam essas paróquias para além da "capela" de Lisboa. Seria interessante!!! (ver RN-51).

18) foi mentiroso quando no dia da sua "entronização como arcebispo-primaz" (certamente uma óptima maneira de começar um ministério religioso), ao fazer-se passar como «chefe do católicos ortodoxos ibéricos», o que sabia que era totalmente mentira. Não passava de mero "arcebispo-primaz" da sua comunidade eclesial e nunca de todos os católicos ortodoxos ibéricos, esquecendo-se que quem podia arrogar-se esse título e nunca o fez era o Arcebispo Primaz S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha), da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, que anos antes o tinha deposto de Subdiácono (ver RN-01; RN-09);

19) para completar a mentira, que tal repararmos no nome da "capela" de Lisboa, que afirma ser a de «Nossa Senhora dos Milagres» (ver RN-09), porém é estranho que no convite (ver DC-14) que o "arcebispo" envia para a sua "coroação" o nome da capela é outro: «Nossa Senhora do Pranto». Ou seja, entre a data do convite e a data da "coroação" a capela mudou de nome, e pelo que consta não foi a única vez; pois actualmente tem o nome de «Santuário de Nossa Senhora das Lágrimas» (ver RN-95; RN-96).

20) é mentiroso quando em menos de um ano, entre a data de fundação da sua comunidade em 1990 (ver DC-01; DC-02) e a data da reportagem 15 de Julho de 1991 (ver RN-9) afirma ter 50.000 fiéis, tratando-se de um crescimento astronômico, chegando mesmo a ultrapassar o número dos Católicos Ortodoxos Canónicos que em 1997 atingiam 15.000 (ver RN-57), um número bastante inferior para um trabalho de três décadas e ultrapassado pelo "iluminado" sr. Armando Monteiro em apenas um ano;

21) é mentiroso quando afirma que a: «IACO É A IGREJA DE COMUNHÃO CATÓLICA QUE MAIS CRESCE  NO MUNDO. JÁ ATINGIMOS CINCO MILHÕES DE PESSOAS EM 22 ANOS DE ATUAÇÃO», pelo que podemos entender que a IACO - Igreja Apostólica Católica Ortodoxa - não se trata de uma comunidade "Ortodoxa". Mas ficamos admirados com o número atingido de fiéis (5.000.000), para o templo da comunidade, situado em Lisboa, e sem falar no fantástico crescimento de 50.000 em 1991, para 5.000.000 em 2012 (ver RN-23);

22) é mentiroso quando afirma ter mais de 1000 pessoas por fim de semana repartidas pelas suas missas, o que significa cerca de 500 pessoas na sua pequena capela das Canastras, que desta vez volta a ter um novo nome: «capela do Seminário de Santa Filomena», que agora passou a ser em Lisboa. Fantástico!!! (ver RN-10); mas em Agosto de 2007, unicamente recebia 200 pessoas nas missas dos fins de semana (ver RN-04); e na grande celebração dos seus 33 anos de "monge" com uma «1 ordenação de Subdiácono; 1 ordenação de Diácono; 2 ordenações de Presbíteros e 1 ordenação ao estatuto de Coreepiscopos», afirma ter «+ de 300 Fiéis», pelo que houve um crescimento, mas igualmente um declinio em relação os 1000 actuais (ver RN-64);

23) envergonha o Evangelho de Cristo, quando actos como: «Quanto aos alegados exorcismos, o padre Alexandre Bonito diz que tem sido contactado por pessoas que dizem ter sido "ludibriadas", como aconteceu o ano passado na Madeira, onde o "arcebispo" Monteiro foi dar consultas espirituais"...» (ver RN-02);

24) envergonha o Evangelho de Cristo, quando actos como: «O pior, segundo elementos de um outro culto que mantêm ligações com D. Milton, é que o bispo brasileiro conta muitas razões de queixa. «Ele diz-se enganado por Armando Monteiro em vários domínios». (...) O primaz não é um estranho para o Arquimandrita...» (ver RN-03);

25) é farsante, quando actos como: «No Brasil, logrou, partindo de uma quarta classe, habilitar-se a graus académicos que lhe permitiram voltar a Portugal com vários cursos debaixo dos braços, um deles em sexologia. «Nós fomos investigar e não existe nenhum dos cursos que ele diz ter», formaliza o arquimandrita...» (ver RN-03);

26) é farsante e envergonha o Evangelho de Cristo, quando actos como: «...na sequência da detenção pela Policia Judiciária do seu arcebispo primaz. Armando Monteiro, acusado de abuso sexual de um menor e ainda de ter colocado fogo na própria casa para burlar uma companhia de seguros...» (ver RN-27);

27) envergonha o Evangelho de Cristo, quando pratica actos de carácter espírita (psicopraxia) durante a celebração da Eucaristia; faz trabalhos de "união de velas" representando figuras humanas para unir/separar casais; ou realiza "bênçãos" em fotografias de defuntos para enviar as suas almas para o Paraíso.

Ora, pensando seriamente no que foi referido publicamente pelo Padre Alexandre Bonito, da Igreja Ortodoxa Grega em Portugal, em que o mesmo «contesta a existência da "Igreja Apostólica Católica Ortodoxa" como culto religioso, considerando que se trata de uma pura invenção de Armando Monteiro. (...) É uma mera associação criada pelo mero fundador, e pouco mais que isso. São quatro mentiras, nem é igreja, nem é católica, nem é apostólica, e muito menos ortodoxa. (...) ...adiantando que conheceu o "arcebispo" há anos, quando ele se intitulava sacristão da Igreja Católica, sem o ser. É um individuo que organizava excurções de velhinhas, a partir da Baixa da Banheira para a Santa da Ladeira.» (ver RN-02); e o que afirmou o Arquimandrita José, da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, quando afirma: «Diz que foi sagrado por um bispo que foi sagrado católico romano, o brasileiro D. Milton Cunha... (...) O pior, segundo elementos de um outro culto que mantêm ligações com D. Milton, é que o bispo brasileiro conta muitas razões de queixa. «Ele diz-se engado por Armando Monteiro em vários domínios». (...)» (ver RN-03); ou ainda o que afirmou S.E.R. Dom Manuel Martins, Bispo Emérito de Setúbal da Igreja Católica Apostólica Romana, quando afirma: «Na década de 70 ele andava sempre metido nas igrejas. É dessas pessoas que mergulham no sagrado e no místico, de tal forma que não podem passar sem dizer Missa, mesmo que não estejam habilitadas a fazê-lo.». A passagem de Armando pela diocese de Setúbal também não foi bem sucedida: «Nunca deleguei nada nele. Tinha ideias bizarras, e por isso, alguns padres lateralizaram-no. Como não se sentiu bem acolhido, resolveu mudar para o catolicismo ortodoxo» (ver RN-04), embora o mesmo afirme: «Não saiu da religião Católica Romana sem ouvir a opinião do bom amigo, Dom Manuel Martins, que antes já lhe tinha dado aval para fazer a “celebração da palavra”, e ele, “homem muito pragmático, disse-me que se eu realmente sentia Deus dessa forma, teria que avançar.”(...) Dirigiu a catequese em Alhos Vedros, foi subdirector da Cáritas em Setúbal, no início dos anos 70, o então bispo de Setúbal, Dom Manuel Martins, autorizou-o a fazer a “celebração da palavra.» (ver RN-84); creio que não deixa quaisquer dúvidas acerca de quem é o mentiroso, farsante, e que envergonha o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo (ver RN-90).

24º - Acusa os demais de romperem a comunhão com a Igreja, e de público comportamento contra a verdade da fé, apostasia e excomunhão automática.

Neste ponto, é bom esclarecer que, quando o sr. Armando Monteiro acusa os demais de «romperem a comunhão com a Igreja», esta a referir-se a romper a comunhão com a sua comunidade eclesial (Igreja Apostólica Católica Ortodoxa) e com a sua pessoa, enquanto "arcebispo primaz" da referida associação.
Ora, por tudo o demonstrado até aqui e afirmado pelos representantes de várias comunidades religiosas credenciadas em Portugal (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04), a comunidade fundada e dirigida pelo sr. Armando Monteiro não demostra estar em Comunhão com a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica; em consequência de tal facto, romper a "comunhão" com tal associação não é romper a Comunhão com a Igreja Una, mas exactamente o contrário, ou seja, romper os laços com a apostasia e a heresia, para poder estar em PLENA COMUNHÃO com a Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica.
No que toca a acusar os demais de «público comportamento contra a verdade da fé, apostasia e excomunhão automática», cremos que por tudo o que foi e será ainda demonstrado aqui, não necessitamos de voltar a respostar a tal acusação na qual unica e simplesmente se deve rever o sr. Armando Monteiro (ver RN-90).

25º - Acusa os demais de terem canonizado ao Metropolita Dom João Gabriel I de Portugal, Arcebispo Primaz da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, de uma maneira indigna.

Esquece o sr. Armando Monteiro, o que foi publicado no anterior website da comunidade eclesial da Igreja Apostólica Católica Ortodoxa, acerca da canonização de S.B. Dom João Gabriel (Dr. Eduardo Henrique Pinto da Rocha), e que dizia: «Sua Beatitude em reconhecimento pela sua força apostólica e pelo amor filial que nutre pelo seu Pai na Fé, procedeu á Canonização de SUA BEATITUDE DOM JOÃO GABRIEL I, elevando-o às Honra dos Altares em 29 de Junho de 2002, na Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo, e 24º aniversário de sua CONSAGRAÇÃO MONÁSTICA, recebida das sagradas Mãos de Sua Beatitude SÃO GABRIEL I, ARCEBISPO...» (ver RN-05; RN-80), pelo que não percebemos o facto de acusar os demais Hierarcas e suas Jurisdições Canónicas, acerca de um acto que o próprio praticou.

26º - Acusa os demais de serem frequentador do Príncipe Real.

No que respeita aos frequentadores do Príncipe Real, é de lamentar que o esquecido sr. Armando Monteiro (quando lhe convém), não recorde talvez em consequência de alguma amnésia, que chegou a frequentar várias vezes espaços de lazer, bares, discotecas e restaurantes na zona, assim como noutras localidades, conhecendo até pessoalmente pessoas com algum carisma na referida zona. Não fazemos ideia se os actos de lazer comportaram algum tipo de "bric-adeira", mas como as mesmas "bric-adeiras" são próprias de crianças ou de certos indivíduos que apesar da idade são mentalmente como elas, pelo que devem ter uma "tia" a vigiar adequadamente o seu comportamente insano...
Por outro lado, é triste não mencionar as vári
as casas religiosas existentes naquela zona lisboeta, como os Missionários Combonianos. Talvez um retiro numa delas fosse proveitoso para traçar novos e mais iluminados caminhos de fé...

27º - Afirma possuir vários títulos académicos.

É bom recordar novamente o que afirmou o Arquimandrita José, da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, em referência ao títulos académicos do sr. Armando Monteiro, quando diz: «No Brasil, logrou, partindo de uma quarta classe, habilitar-se a graus académicos que lhe permitiram voltar a Portugal com vários cursos debaixo dos braços, um deles em sexologia. «Nós fomos investigar e não existe nenhum dos cursos que ele diz ter», formaliza o arquimandrita"» (ver RN-03). Apesar disso, analisemos detalhadamente cada um deles:

Estudos:

(chamava a atenção para as datas das licenciaturas / doutoramentos, quando o mesmo indivíduo nasceu em 1958,
e para o facto de em alguns lados serem licenciaturas e noutros serem doutoramentos)

01) bacharel em teologia - 1978 (20 anos) (ver RN-05);
a) pelo Instituto de São Leão Magno, Portugal, como sendo um Instituto da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal;
b) em 1978, o Intituto de Teologia, da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, tinha o nome de: Academia Ortodoxa de Teologia de São Martinho de Dume (ver RN-59);
c) em 2008, recebe o nome de Academia Ortodoxa de Teologia da Igreja Católica Ortodoxa de Portugal, membro do Syndesmos (ver RN-59);
02) licenciado em teologia - 1980 (22 anos) (ver RN-05);
a) pela Danzing University, USA (ver RN-05);
03) licenciado em psicologia social e religiosa - 1980 (22 anos) (ver RN-51);
a) pelo Anthioch Christian College in Austin, Texas, USA (ver RN-05);
b) nalgumas páginas do facebook alega que estudou no Antioch University Los Angeles, USA (ver RN-11; RN-21; RN-32);
04) licenciado em psicologia clínica - 1980 (22 anos);
a) pela Universidade Garzilaso de Lavega, Lima, Peru (ver RN-05);
05) doutor em teologia - 1980 (22 anos) (ver RN-14; RN-15; RN-25; RN-80);
a) pela World Danzing University, USA, por convite da Universidade em 1978 (ver RN-25; RN-41; RN-51; RN-80);
b) pela Danzing University, USA (ver RN-05);
06)
doutor em psicologia - 1988 (30 anos) (ver RN-14; RN-15);
a) pelo Anthioc Christian College (ver RN-25; RN-41; RN-80);
07) doutor em psicologia clínica - 1990 (32 anos);
a) pela Universidade Garsilaso de la Vega (ver RN-25; RN-41; RN-80);
b) exercia a profissão de psicólogo clínico (ver RN-09; RN-72);
c) não se encontra resgistado na Ordem dos Psicólogos (ver DC-52);
08) doutor em teologia bíblica - 1995 (37 anos);
a) pelo Instituto de São Basílio Magno, Lisboa; Portugal (ver RN-25; RN-41; RN-80);
b) o Instituto que concede o doutoramento é presidido desde sempre pelo seu fundador, o mesmo doutorando;
09
) doutor em medicina (ver RN-13; RN-14; RN-15);
10) doutor em neurociência (ver RN-13; RN-14; RN-15);
11) doutor em teologia - 2008 (49 anos) (ver RN-14; RN-15; RN-41);
a) pelo Seminário Internacional (RN-80);
b) realiza exorcismos e consultas espirituais (ver RN-04);
12) doutor em filosofia cristã - 2008 (49 anos);
a) pelo Seminário Internacional (ver RN-25; RN-41; RN-80);
13) doutor honoris causa em sociologia - 2008 (49 anos);
a) pelo Seminário Internacional (ver RN-25; RN-41; RN-80);
14) conclusão dos estudos em psicologia - 1999 (40 anos);
a) pela Universidade Complutense de Madrid (ver RN-13; RN-16) *;
b) numa página do facebook alega ter unicamente estudado (ver RN-16; RN-29);
15) conclusão dos estudos em medicina - 1999 (40 anos);
a) pela Universidade Complutense de Madrid (ver RN-13; RN-16) *;
16) conclusão dos estudos em neurociência - 1999 (40 anos);
a) pela Universidade Complutense de Madrid (ver RN-13; RN-16) *;

b) numa página do facebook alega ser director numa Clínica de estudo em Neuropsicologia (ver RN-29);
c) não se encontra resgistado na Ordem dos Médicos (ver DC-51);
17) sexólogo (ver RN-01);
a) abriu um Instituto de Sexologia e Psicologia, na Lapa, Lisboa (ver RN-01; RN-90);
b) dava consultas de sexologia (ver RN-03; RN-72; RN-90);
c) não se encontra resgistado na Ordem dos Psicólogos (ver DC-52);

* (é de notar que a concluir estes estudos na Universidade Complutense de Madrid em 1999, forçaram o indivíduo a estar em Lisboa e em Madrid ao mesmo tempo, pelo que unicamente se pode tratar do fenômeno da bilocação, visto o mesmo estar a passar "férias" forçadas na PJ, em Lisboa)

28º - Acusa os demais de lhes ter sido recusado tempo de antena num programa da RTP2

Efectivamente, quando se tem falta de memória ou memória-curta, como acontece com o sr. Armando Monteiro, em vez de alguma iluminação e bom-senso acabam por se crer possuidores de uma moral irrepreensível, o que faz com que acabem por fatar à verdade, mentindo. Desta vez, o indivíduo esquece deliberadamente quando a anterior Comissão de Tempo das Confissões Religiosas na RTP em 2003, sob a coordenação do Dr. Mário Mota Marques (Comunidade Bahai), e sendo membros: o Padre Alexandre Bonito (Igreja Ortodoxa Grega), S.E.R. Dom Theodoro (Igreja Ortodoxa de Portugal), o Cónego António Rego (Igreja Católica Romana), Dom Fernando Luz Soares (Mosaico Ecuménico), o Dr. José Manuel Dias Bravo, Juiz Conselheiro (Aliança Evangélica Portuguesa), etc, que por factos de conhecimento público tentaram interditar-lhe o usufruto do tempo de antena. Mesmo assim, sob a capa do anonimato faz elogios à sua pessoa, dizendo: «O SENHOR ARCEBISPO DOM ARMANDO TEM DESDE O ANO DE 1990 EM PORTUGAL UMA PRESENÇA NOTÁVEL COMO MEMBRO DA IGREJA APOSTOLICA CATOLICA ORTODOXA, FOI REPRESENTANTE NA COMISSÃO RELIGIOSA PARA DAR PARECERES SOBRE A LEI DE LIBERDADE RELIGIOSA ASSIM COMO A DISTRIBUIÇÃO DO TEMPO DE ANTENA NA RTP. TEM UM PROGRAMA NA FÉ DOS HOMENS ONDE SÓ TEM ESPAÇO AS IGREJAS RECONHECIDAS OFICIALMENTE» (ver RN-92), embora mentindo descaradamente.
Por outro lado, e quem sabe por que motivos, o Registo de Pessoas Colectivas Religiosas recusou o pedido de registo apresentado pela Igreja Apostólica Católica Ortodoxa, na pessoa do sr. Armando Monteiro, que inconformado com a decisão proferida, interpôs recurso de impugnação judicial, alegando, em síntese, que, desenvolve uma actividade conforme com os limites constitucionais da liberdade religiosa e que a sua inscrição tornou-se obrigatória nos termos do art. 1º da LLR, porquanto o despacho de recusa foi proferido mais dois anos depois da entrega do requerimento de inscrição (http://tribunal-relacao.vlex.pt/vid/-55314773).

29º - Acusa os demais de o seu ministério não poder dar bons frutos.

Quando o sr. Armando Monteiro afirma acerca dos demais que «pelo demostrado a árvore não pode dar bom fruto», deve estar a confundir os demais consigo próprio, e quem sabe com aqueles que o rodeiam (ver RN-90). Basta aceder a jornais, revistas e demais publicações desde a década de 90 e mais recentes, para constatar que o indivíduo gosta de acusar e difamar aqueles que nada querem com ele e sua comunidade eclesial, e que conhecem por dentro e por fora toda a espécie de "bons exemplos ortodoxos" de que é recheada a sua vida (ver RN-01; RN-02; RN-03; RN-04; RN-10; RN-24; RN-27; RN-28; RN-35; RN-37; RN-38; RN-39; RN-40; RN-47; RN-48; RN-90; RN-91). Acreditamos no que afirma São Bernardo, quando diz que «o zelo de muitos e muitos eclesiásticos serve apenas para garantir o seu lugar. Tudo é feito em razão da carreira, nada ou bem pouco em função da santidade. Se quisesse tentar evitar redundâncias e ser mais directo diria: "Por favor, isto não é conveniente, não está conforme aos tempos, não é adequado à vossa grandeza; tende em conta a dignidade da vossa própria pessoa"».
Talvez seja a intenção do sr. Armando Monteiro, manchar propositadamente a reputação e ministério dos demais, como manchou a sua reputação e o seu ministério, encontrando-se por todas as suas práticas realmente EXCOMUNGADO à luz das Regras Apostólicas e dos Santos Concílios Ecuménicos, e até mesmo dos "Regulamentos Canónicos" (ver DC-01; DC-02; DC-03), por si elaborados e aprovados.

30º - Acusa os demais de falsos exorcistas.

Quando o sr. Armando Monteiro acusa os demais de «falsos exorcistas», deveria colocar os olhos primeiramente em si, quando mentindo publica anúncios a oferecer os seus serviços (ver RN-74), ou diversos textos na internet onde se exalta: «Dom Armando Monteiro,(Arcebispo)é considerado o maior Exorcista Vivo a exercer a cerimónia do exorcismo para libertar os fiéis de todos os males espirituais. É procurado por centenas de pessoas de todos os estratos sociais no Santuário de Nossa Senhora das Lágrimas em Lisboa, onde exerce o seu ministerio.» (ver RN-62); «nos nossos dias o Arcebispo Armando Monteiro é considerados um dos maiores exorcistas do mundo» (ver RN-78), ou então, quando coloca na boca de pessoas falecidas algumas "profecias" que o "acreditam" no serviço: «o Bispo Dom Armando, reconhecido como o maior Exorcita da Europa, sendo convidado para estar presente em Espanha, França, Italia, ect... Foi grande amigo do Padre Miguel, o qual lhe profetizou sendo ele ainda um jovem sacerdote o dom da cura espiritual.(...)» (ver RN-79).
Olhando para aqueles que representam publicamente a sua comunidade eclesial, e que se apresentam como "exorcistas", quando o mesmo é mentira, como aconteceu com um senhor chamado Armando, mais conhecido como "Frei Miguel" embora o mesmo seja casado, que num programa de televisão é desmascarado pelo conhecido bruxo português "mestre" Alves. Um comentário num blog, diz: «Este senhor, que se chama Armando e que dá pelo nome «artístico» de Frei Miguel, é já um conhecido patranhista à imitação do seu chefe Armando Monteiro, vá-se lá saber porque têm o mesmo nome!!! Os Armandos são tramados!!! Este senhor «frei» mora segundo informações de pessoas credíveis, em Marinhais, perto de Salvaterra de Magos e parece que herdou o jeito, o gosto ou vocação para o negócio do exorcismo, depois de andar a deambular por algumas igrejas. (...) apresenta-se como exorcista ou assim o dá a entender e não assume qual o seu cargo na igreja, que há a esconder??? Ah, pois, é que é um mero diácono e os diáconos não podem exorcizar, somente padres e sob dispensa do bispo. Segundo não sabe confrontar o bruxo, ou seja levou baile! Má preparação na certa ou mesmo terrível falta de conhecimentos para o que foi ali fazer, etc... o vídeo fala por si! Na zona de Marinhais, Salvaterra, Almeirim e Coruche é conhecido como um grande burlão! Enfim mais um! Mas quando se tem um chefe como D.Armando Monteiro, que poderíamos esperar? Um Santo?» (ver RN-60; RN-65; RN-68; RN-93; RN-94).
Por outro lado, é interessante constatar como alguém que se apresenta como o «maior exorcista do mundo» (ver RN-62), com uma falsa capa de canonicidade e legitimidade, usa depois nas "consultas espirituais": os "Chakras" da religião hindu; fotografias de kirilian; ou "Missas Tântricas" (ver RN-70; RN-91), em contradição com os ensinamentos da Igreja Una, Santa, Católica e Apostólica, contidos nos Santos Concilios Ecuménicos, nas Regras Apostólicas e na Tradição da Igreja.

Deus seja rico em misericórdia!



Home / Comunicados da Sé Apostólica / Biografias Gerais / Canonicidade Bielorrussa Eslava


Última actualização deste Link em 29 de Junho de 2015