Igreja Católica Ortodoxa Hispânica


 

S.B. Mar António Francisco Xavier Alvares
(Alvares Mar Julius / Júlio Alvarez Mar)

 

Sua Beatitude Mar Antonio Francisco Xavier Alvares (Alvares Mar Julius, Júlio Alvarez Mar), nasceu em 29 de Abril de 1836 e faleceu em 23 de Setembro de 1923. Foi um Sacerdote Católico Romano em Goa e Índia britânica e, mais tarde Arcebispo-Metropolita da Igreja Ortodoxa Síria Malabar.
Ma
r Álvares foi nomeado pelo Arcebispo de Goa para ministrar aos católicos romano sem territórios na Índia Britânica. O Governo Português alegou estes territórios, por força de antigos privilégios (Privilégios Pontifícios concedidos pelos Papas Romanos a partir do século XIV). No entanto, estes antigos privilégios estavam em nítido contraste com as ordens e as demandas dos Papas mais modernas e a Congregação da Propaganda da Fé, que os tinha separado dessas áreas e re-organizados como os Vicariatos Apostólicos governados por bispos não portugueses, por imposição da Corôa britânica. Sucessivos governos portugueses lutaram contra isso, denominando essa agressão injustificada pelos últimos Papas contra a concessão irrevogável do Patronato Real da Corôa Portuguesa.
Durante o Papado de Pio IX e Leão XIII, a hierarquia na Índia britânica foi formalmente re-organizada de forma independente de Portugal, mas com o consentimento do Governo Português, um grupo do Padroado Católico em Bombaim unidos sob a liderança do estudioso Dr. Lisboa e Pinto e do Pe. Alvares formou a Sociedade para a Defesa do Patrocínio Real e agitado com a Santa Sé, o governo britânico da Índia e o Governo Português foram contra estas alterações.
No entanto, a agitação não conseguiu reverter essas alterações.
Enquanto ele era foi mero padre da Igreja Católica Romana, ele foi em busca do verdadeiro cristão biblico e da verdadeira Igreja, Una, Santa, Católica e Apostólica. Ele era contra a falsa devoção religiosa e exibicionismo. Ele opôs-se à Concordata do Papa e da interferência do Governo na administração da Igreja. Irritado com o Governo Português, o grupo separou-se da Igreja Católica Romana e criou uma Igreja independente unida e sem prejuízo, à Igreja Ortodoxa Malabar.
Depois de ingressar na Igreja Ortodoxa, Mar Alvares foi excomungado pela Igreja Católica Romana, sendo perseguido pela Igreja Católica e pelo Governo Português.
S.B. Alvares foi Consagrado ao Santo Episcopado em 28 de Julho de 1889 no Antigo Seminário de Kottayam, recebendo o nome de Mar Julius I, pelo Bispo Ortodoxo de Kottayam, Mar Paulose Athanasious (Kadavil  Kooran), com a permissão e sob a Canonicidade do Patriarca Sírio-Ortodoxo de Antioquia S.B. Mar Ignatious Boutrous III para ser Arcebispo Autocéfalo de "Rito Latino", da Igreja Ortodoxa Autocéfala de Ceilão, Goa e da Índia, sendo Co-Consagrantes: Mar Joseph Dionesious (Pulikkottil),
Mar Geevarghese Gregorios de Parumala, Paulose Mar Evanios de Kandanadu.
Quando
Dom Joseph Rene Vilatte estava procurando um Bispo Canónico e reconhecido, a fim de solicitar a sua Sagração Episcopal, ele foi orientado até Mar Alvares, que, conjuntamente com Mar Paulose Athanasious (Kadavil  Kooran), e com a permissão do Patriarca Ortodoxo Sírio, o Consagrou ao Episcopado em 1892, na cidade de Colombo, Sri Lanka.

Mar Vilatte, Mar Ivanios Paulos (later Catholicos Baselius Paulos I), Mar Dionysius Joseph, Mar Athanasius Paulos, Mar Gregorios Gewargis, e Mar Julius Alvares

Bula da Sagração Episcopal de Mons. Vilatte

Mar Julius I, viveu em Colombo e Brahmavar - Calianpur (Kalyanpur), uma aldeia perto da cidade de Udipi na Costa Canara. Ele foi falsamente acusado, preso, despindo de suas vestes episcopais e levado através da rua, só com as cuecas, para o bloqueio da polícia. Lá ele foi colocado numa sala suja, sem uma cama ou cadeira onde o chão cheirava a urina e fezes. Ele sofreu sozinho, abandonado por todos, tal como o seu próprio Mestre, Jesus. Como um verdadeiro cristão, Mar Julius sofreu como os discípulos e os mártires do cristianismo primitivo. Ele não foi autorizado a usar as vestes episcopais até à sua morte, usando apenas uma túnica preta. Foi aconselhado por alguns dos seus velhos amigos para regressar de novo à Igreja Católica Apostólica Romana, especialmente quando ele estava muito doente, mas ele recusou-se sempre a abandonar a verdadeira Fé Cristã, a Fé Santa e Ortodoxa.
Para o povo comum, ele foi um verdadeiro missionário, um patriota, e um apóstolo da caridade. Em 1871 ele começou uma Associação de Beneficência em Panaji para prestar ajuda aos pobres, começando com mendigos errantes. Depois de alguns anos, ele ampliou a Associação para outras cidades em Goa. Durante os últimos dez anos de sua vida, ele concentrou suas actividades em Panaji. A sua casa para os pobres estava tendo leprosos, doentes com tuberculose, mendigos e todas as pessoas necessitadas. Como ele não tinha qualquer rendimento, ele foi forçado a pedir esmolas com uma tigela na mão. Um dia Mar Alvares solicitou a um comerciante uma contribuição. Em vez de dar a contribuição, cuspiu arrogantemente na tigela. Sem ficar zangado ele disse-lhe: "Tudo bem, vou manter isso para mim”. Agora, dê alguma coisa para os pobres". (Ele estava muito à frente de Madre Teresa, a este respeito). Ao ver a dedicação e a determinação do Arcebispo o comerciante passou a contribuir generosamente. Mar Álvares foi um grande estudioso, homem de elevados princípios e tinha uma personalidade impressionante. Ele abriu um colégio onde os padres foram Goan ensino de Português, Latim, Francês e Filosofia. Em 1912, Mar Julius abriu uma Escola de Inglês em Panaji. Iniciou uma série de publicações periódicas, uma após outra: "A Cruz", "Verdade", "O Progresso de Goa", "O Brado Indiano", "Tempos de Goa" eram proeminentes entre eles. Como era um crítico do Governo, a maioria deles foram banidos e forçados a parar as publicações após alguns anos. "A supremacia universal da Igreja de Cristo", e "Antioquia e Roma", foram alguns dos livros escritos por ele. Seus últimos dias foram em Hospital Ribandar à mercê de uma instituição de caridade, a luta contra a disenteria na velhice. Deu o seu último suspiro a 23 de Setembro de 1923. Seu corpo foi mantido na Câmara Municipal por 24 horas para permitir que as pessoas pudessem prestar-lhe homenagem. Todos os jornais estavam cheios de notícias e artigos sobre a sua morte. Embora Mar Julius fosse considerado pelo Governo e a Igreja Católica Romana como um inimigo, o governador-geral enviou o seu representante para lhe prestar homenagem. Milhares de pessoas, especialmente pobres e mendigos prestaram-lhe a sua última homenagem. O cortejo fúnebre percorreu todas as ruas principais de Panaji sendo o seu corpo sepultado num canto isolado do cemitério de Panaji Inez em 24 de Setembro de 1923, sem os ritos fúnebres. Depois de quatro anos (em 23 de Setembro de 1927), os seus ossos foram recolhidos pelos seus amigos e admiradores, mantidos numa caixa de chumbo e enterrados no mesmo lugar, colocaram uma placa de mármore com a inscrição "Em Memória de Padre (Pai) Antonio Francisco Xavier Alvares, Humanitario Missionario e Um Grau Patriota" e ergueram uma grande Cruz. Esta ainda é a maior cruz naquele cemitério.

Durante quarenta longos anos ninguém visitou o túmulo. Ninguém sabia onde ele estava enterrado. Mas uma jóia não pode ser escondida por muito tempo. Sua Graça Mathews Mar Athanasios, o então Metropolita da Diocese de Kerala (mais tarde Sua Santidade Baselios Marthoma Mathews I) durante a sua visita a Goa em 1967, e após uma série de investigações, descobriu o sagrado túmulo. Quando a Igreja de Santa Maria foi reconstruída no mesmo local, as relíquias foram transferidas para o Sepulcro presente que foi feito especialmente do lado do "Madbaha", pelo Catholicos da Igreja Ortodoxa Malabar, Sua Santidade Moran Mar Baselios Mathews II em 06 de Outubro de 2001. As relíquias sagradas do Metropolita foram depositadas na Igreja Ortodoxa de Santa Maria em Ribander.

 


Home / Biografias Gerais / Sucessão Apostólica da ICOH


Última actualização deste Link em 01 de Outubro de 2011